Giro d’Italia 2023 – Roglic, Remco, João Alemeida? Quem leva a maglia rosa?

Luiz Papillon

Neste sábado começa o Giro d’Italia 2023, primeira grande volta da temporada. Serão 21 etapas somando 3.448km largando de Fossacesia Marina e chegando em Roma.

Jay Hindley, vencedor do Giro 2022 | Foto Divulgação RCS
Jay Hindley, vencedor do Giro 2022 | Foto Divulgação RCS

Nesta temporada o Giro será transmitido para o Brasil pela DSports na Directv Go com narração em português. Pela GCN+ com narração em inglês e pela Rai Internacional com a narração original em italiano. A etapa 01 tem transmissão programada para às 8h30 deste sábado.

Giro d’Italia 2023

Aqui vamos tratar sobre o percurso e favoritos do Giro 2023, se você quiser saber um pouco da centenária história do Giro d’Italia, confira no texto abaixo:

Giro d’Italia Um pedaço da história do ciclismo

A viagem pela Itália começa na região dos Abruzos, bem no centro da Itália, largando de Fossacesia Marina nas margens do Mar Adriático, descendo para o sul até Salerno na Campania para voltar ao centro passando por Nápoles e terminando a primeira semana no Gran Sasso.

Na segunda semana começa em Terni, passa por um contrarrelógio individual terminando em Cesena para depois encarar o Col du Grand Bernard e seus 2.469m de altitude a “Cima Coppi” (montanha mais alta do Giro, com nome em homenagem a Fausto Coppi). Será também o ponto onde o Giro visita a Suíça em Valais até terminar a semana em Bergamo.

A última semana do Giro tem uma quantidade colossal de subidas reservadas, com destaque para a 19ª etapa terminando a 2.304m de altitude. Uma cronoescalada para o Monte Lussari na penúltima etapa deve definir o campeão do Giro para no dia seguinte a etapa festiva terminar em Roma no domingo 28 de maio.

Favoritos do Giro d’Italia 2023

Pódio da Vuelta 2022 | Foto Reuters
Pódio da Vuelta 2022 | Foto Reuters

O grande favorito do Giro d’Italia é Remco Evenepoel, o jovem belga campeão mundial e vencedor da Vuelta 2022 chega após muito preparo de construção de um ciclista belga para classificação geral. A Soudal Quick Step chega para o Giro com um time focado em Remco com dois escaladores (Van Wilder e Davide Ballarini) e roladores muito fortes (Pieter Serry, Jan Hirt e Louis Vervaeke).

Jumbo Visma perde dois ciclistas para o covid-19

Primoz Roglic | Foto Divulgação

O principal adversário de Evenepoel deve ser Primoz Roglic. Colocamos “deve” pois a equipe de Roglic sofreu baixas importantes às vésperas do Giro em função de uma onda de covid-19. Com uma equipe “menos forte”, Roglic terá mais trabalho para acompanhar o jovem impetuoso belga. Koen Bouwman e Sepp Kuss serão os fieis escaladores enquanto Edoardo Affini, Jan Tratnik e Rohan Dennis as locomotivas.

A volta da gigante? Ineos com time de peso para o Giro

Antes primeira força do ciclismo, a equipe Ineos parece não ter se recuperado da morte prematura de seu diretor esportivo Nicolas Portal.  Da equipe que vencia quase tudo, para a terceira ou quarta força no pelote. Só que, justo o Giro foi a última grande volta vencida pela equipe com o colombiano Egan Bernal em 2021. Tao Geoghegan Hart, campeão do Giro 2020 divide a liderança da equipe com o veterano capitão Geraint Thomas. Ao menos no papel a equipe é a mais forte deste Giro.

Tao Geoghegan Hart | Foto RCS – Giro d’Italia

Thymen Arensman e Pavel Sivakov tem total capacidade de levar tanto Tao como Thomas na cabeça do pelote em grandes altitudes. Na rolagem o recordista da hora Filippo Ganna e junto de um experiente Ben Swift, o “Big Ben”.

Outros favoritos: Almeida, Kung e Caruso

Apesar de chegar no Giro com pompa de favorito, o português João Almeida não parece estar no mesmo nível de escalada dos adversários. Contudo sua equipe escalou o potente Jay Vine e Brandon McNulty de escolta. Na Groupama embora Thibaut Pinot leve o número 1 da equipe, é no suíço Stefan Kung que devemos ficar de olho. King Kung já se mostrou um ciclista muito forte e pode surpreender.

João Almeida lidera o Giro na etapa 15 de 2020 | Foto Getty
João Almeida lidera o Giro na etapa 15 de 2020 | Foto Getty

Na forte Bahrain o italiano Damiano Caruso finalmente não tem Mikel Landa para dividir a liderança, sendo a oportunidade para buscar um título de primeira grandeza.

Atual equipe campeã do Giro a Bora coloca no russo Aleksandr Vlasov sua esperança. É bem verdade que Vlasov foi quinto colocado no último Tour mas vem de uma temporada mediana, mesmo Lennard Kamna parece estar em um momento mais forte.

Por fora, mas com certeza num Top10 se escapar de quedas está o ex-desempregado Domenico Pozzovivo, o pequeno italiano conseguiu um contrato pós carnaval na Israel e agora liderará a equipe no Giro.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Sertões faz desafio em Pirinópolis

Uma das mecas do mountain bike no país, cidade histórica de Goiás recebe o primeiro desafio do ano sobre duas rodas com a assinatura do maior rally do mundo. Percurso guarda belezas e poesia, mas será exigente. Ação Social do Sertões realiza mutirão com crianças através do projeto Ver Magia. […]

leia também

Receba as novidades em seu e-mail