Os paralelepípedos da Paris Roubaix

Luiz Papillon 1

Neste domingo acontecerá a 120ª Paris Roubaix. Como aperitivo para a 3ª monumento do ciclismo na temporada de clássicas, elaboramos uma série de textos contando um pouco da história da rainha das clássicas. Confira a primeira parte:

Paris Roubaix a rainha das clássicas

 

A ESPN promete transmissão a partir das 10h da manhã ao vivo na ESPN2 ou desde as 06h no Star+. Os melhores ciclistas do mundo percorrerão 257km em busca de um pedaço de pedra. Mas você conhece a história dos pavés? Falamos um pouco dos paralelepípedos mais famosos do mundo e o pedaço de pedra mais saboroso do mundo:

roubaix-cancelara
Fabian Cancellara – Vencedor da Paris Roubaix em 2006, 2010 e 2013

Durante muitos tempo não havia destaque algum para provas disputadas em paralelepípedos. Simplesmente por conta de que as estradas eram construídas em paralelepípedos. Após a segunda guerra mundial, a Europa viveu um período de reconstrução e revolução de seus sistemas de transporte. Passou a ser importante para as cidades se adequarem a “era do automóvel”. Com o advento da transmissão pela televisão as cidades passaram rapidamente a modernizar suas vias, ninguém queria ter uma imagem ligada ao passado.

Paralelepípedos da Paris Roubaix
Paralelepípedos da Paris Roubaix

Publicações como a L’Équipe chegaram a dizer que os pilotos não mereciam os paralelepípedos. O editor da L’Équipe chegou a classificar Paris-Roubaix como “a grande loucura do ciclismo”. Com tantas provas em asfalto, Paris Roubaix acabou tornando-se uma referência em prova de paralelepípedos.

Les Amis de Paris Roubaix

Em 1967 o percurso começou a migrar procurando os pavés, já que as estradas não eram mais construídas em paralelepípedos e sim em asfalto. E assim foi sendo criado o mito dos paralelepípedos. Desde então fanáticos pela história dessa monumento vem lutando pela manutenção dos trechos de pavés. A associação “Les Amis de Paris-Roubaix“, criada em 1983 investe anualmente entre 4.000 e 6.000 euros para cada um dos 27 trechos de pavés. A manutenção e preservação dos trechos de paralelepípedos é importantíssima para manutenção do espírito da prova.

Uma curiosidade é o uso de cabras para comer o capim “na medida certa”, sem deixar um sulco muito grande e nem muito mato para cima do nível das pedras. Outro mérito é que a associação faz toda manutenção praticamente sem apoio governamental o que é fantástico.

Toda organização é sem fins lucrativos, além da doação de tempo e dinheiro de cada participante, a associação também vende souvenirs:

Cada trecho de pavé é catalogado de uma a cinco estrelas, sendo cinco o melhor e mais confortável trecho e um o trecho mais com mais lama, irregularidades e duro. E aqui uma réplica do pedaço de pedra mais disputado no ciclismo:

Troféu da Paris Roubaix 2023 - Les Amis de Paris-Roubaix
Troféu da Paris Roubaix 2023 – Les Amis de Paris-Roubaix

 

No próximo texto os vencedores de Roubaix.

Os vencedores de Paris Roubaix

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Quem vence a Paris Roubaix 2023?

Uma das mais duras tarefas é apontar com exatidão quem vence uma das provas mais duras do calendário de ciclismo. Mas chutar é fácil, e fica aqui o chute com torcida do editor: Wout van Aert. Duzentos e sessenta quilômetros num único dia, sob temperaturas extremas, com o guidão forrado […]
Wout van Aert faz o reconhecimento do trajeto da Paris Roubaix 2023

Receba as novidades em seu e-mail