Alejandro Valverde é o campeão mundial de ciclismo!

Luiz Papillon

Em sprint o espanhol Alejandro Valverde de 38 anos sagrou-se campeão mundial de ciclismo de estrada. Restando 13km para o final no topo do Gramartboden três ciclistas se destacaram, o francês Romain Bardet, o canadense Michael Woods e o espanhol Alejandro Valverde. Desceram muito juntos e no final ainda foram alcançados por Tom Dumoulin, a chegada iria para o sprint. Após quatro medalhas de bronze, duas de prata, o murciano fez um longo sprint para vencer coroando sua longa carreira vencedora. Em segundo ficou o francês Romain Bardet e em terceiro o canadense Michael Woods.

A Espanha não vencia o mundial desde 2004 quando Óscar Freire foi o campeão, do ano seguinte em diante quase todos os anos Valverde esteve no mundial. Em 2005 ele foi medalha de prata atrás de Tom Boonen no ano que teve o brasileiro Murilo Fischer em quinto lugar. Agora 13 anos depois o espanhol coloca mais uma conquista em sua maravilhosa carreira. Valverde que já anunciou que pretende se aposentar nos jogos olímpicos de Tóquio aos 40 anos de idade.

O mundial 2018 começou com uma manhã fria do outono europeu. A prova com 258.5km partiu de Kufstein por 85km até entrar no circuito ao redor de Innsbruck na Áustria. Os 188 ciclistas classificados para o mundial largaram e a fuga ficou estabelecida com:

  • Robert Britton – Canada
  • Tobias Ludvigsson – Suécia
  • Kasper Asgreen – Dinamarca
  • Ryan Mullen e Conor Dune – Irlanada
  • Dniil Forminykh – Cazaquistão
  • Vegard Stake Laengen – Noruega
  • Karel Hnik – Rep. Checa.
  • Jacques Janse Van Rensburg – Africa do Sul
  • Illia Koshevoy – Bielorrussia
  • Laurent Didier – Luxemburgo

A fuga chegou a ter 17 minutos de vantagem sobre o pelote na entrada do circuito mas as sete voltas no circuito cobrariam o preço. A presença do brasileiro Nicolas Sessler durou pouco na prova, o brasileiro não entrou no circuito. Logo na primeira volta foi possível ver alguns ciclistas de destaque na rabeira do pelote, Peter Sagan sobrou, a esperança do tetra já era passado. A fuga foi desidratando naturalmente, na marca de 65km para o final estava reduzida a quatro ciclistas, Britton, Asgreen, Laengen e Rensburg.

No pelote o britânico Tao Geoghegan Hart puxava na frente, a vantagem da fuga caia para marca de 5 minutos quando o italiano Dario Cataldo atacou com o espanhol Omar Fraile. Uma queda no pelote acabou com as esperanças de Roglic, o esloveno precisaria trocar a bicicleta e retornar ao pelote seria difícil. O belga Greg Van Avermaet atacou para juntar-se a Cataldo e Fraile, sendo acompanhado pelo checo Karel Hnik. Sentindo o movimento perigoso as seleções mais completas como Alemanha e Holanda passaram a enviar perseguições para neutralizar o ataque com o campeão olímpico. Logo o ataque foi contido e restava a perseguição aos remanescentes da longa fuga.

Na marca de 35km para o final a fuga estava reduzida a dupla Kasper Asgreen e  Stake Laengen, a dupla nórdica liderava por 2:45, restavam duas subidas a última passagem pelo IGLS e a subida de Gramartboden, exclusiva da prova masculina com 2.800m de extensão e inclinação média de 11,5% com um trecho de 28%.

Perfil altimétrico dos 30km finais de prova

 

 

Na descida do Igls o dinamaquês Michal Valgreen atacou e a perseguição teve um grupo grande perseguindo o vencedor da Amstel Gold Race de 2018. Restavam apenas 13km par ao final, assim que começaram a subida do Gramartboden, Valgreen foi alcançado e o grupo que se destacou tinha o italiano Gianni Moscon, Julian Alaphilippe mas o ataque veio com Michael Woods, o canadense acelerou e só foi acompanhado por Valverde e Bardet. O trio foi distanciando e cruzou no topo na ponta, atrás quem acelerou foi Tom Dumoulin mostrando que ainda tinha o que mostrar, mas o movimento do holandês foi um pouco tardio. Na descida Dumoulin atacou cada curva para tentar alcançar o trio. Na ponta os líderes revezavam-se e entraram pelo quilômetro final se estudando para o sprint, nesse momento Tom Dumoulin os alcançou, seria um sprint de quatro ciclistas por três medalhas. O melhor sprinter ganhou, Valverde fez um longo e potente sprint para vencer com Bardet em segundo, Woods em terceiro e Dumoulin em quarto.

Alejandro Valverde ao cruzar a meta para vitória

Campeonato Mundial de Ciclismo 2018

1  VALVERDE Alejandro 06:46:41
2  BARDET Romain ,,
3  WOODS Michael ,,
4  DUMOULIN Tom ,,
5  MOSCON Gianni 00:13
6  KREUZIGER Roman 00:43
7  VALGREN Michael ,,
8  ALAPHILIPPE Julian ,,
9  PINOT Thibaut ,,
10  COSTA Rui ,,

 

Apenas 76 ciclistas completaram a prova. Peter Sagan foi um dos ciclistas que não completaram a prova e muito esportivamente esteve no pódio para entregar a medalha de campeão mundial para Valverde. Confira a posição de alguns ciclistas considerados favoritos para a prova de hoje:

  • Nairo Quintana, o melhor latino americano: 15 (+1:21)
  • Rigoberto Uran, 33 (+2:57)
  • Primoz Roglic, 34 (+4:00)
  • Vincenzo Nibali 49 (+602)
  • Greg Van Avermaet 50 (+8:08)

 

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Cervélo equipará Sunweb em 2019

Em comunicado que veio acompanhado de um bem humorado vídeo onde Tom Dumoulin e seus colegas invadem a sede da Cervélo, a equipe alemã anunciou a utilização de bicicletas da marca canadense a partir de 01 de janeiro de 2019. “Nós estamos muito entusiasmados com a parceria com a equipe Subnweb, […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: