Qhubeka e Assos salvam equipe WorldTour

Luiz Papillon

A ONG sul africana Qhubeka e a fabricante de vestuário Assos uniram-se para salvar a equipe que hoje é chamada de NTT Pro Cycling. Assim em 2021 a equipe será conhecida por Team Qhubeka Assos.

Única equipe do continente africano no WorldTour, a equipe que já foi conhecida como MTN, Team Dimension Data for Qhubeka e NTT Pro Cycling, estará no WorldTour em 2021. O presidente da equipe, Doug Ryder esteve a beira de fechar a equipe, tendo durante o Tour de France liberado os ciclistas sob contrato para buscar outras oportunidades profissionais.

“Eu estou realmente muito feliz em conquistar o suporte de pessoas e parceiros incríveis incluindo a Assos da Suíça que avançou para co-patrocinadora. As últimas semanas foram incríveis vendo as mensagens de fans mostrando como a equipe se conecta a eles em diferentes formas. Eu estou feliz que nós possamos continuar a criar esperança e oportunidade através de nossa equipe com a ONG Qhubeka.” Doug Ryder

Apesar de todo entusiasmo a equipe Qhubeka Asssos tem poucos ciclistas sob contrato e um trabalho grande pela frente. A grande estrela da equipe, o belga Victor Campenaerts, atual detentor do recorde mundial da hora, já anunciou que seguirá com a equipe. O anúncio foi feito por vídeo com a colaboração do ídolo belga Johan Museeuw que pergunta a Victor por qual equipe ele correrá em 2021. A resposta claro:

“Vou correr para a equipe Qhubeka no próximo ano”

Entre os reforços que entram na linha dos rumores, estão muitos dos ciclistas da atual NTT sem contrato como o campeão europeu Giacomo Nizzolo, Max Walsceid, Domenico Pozzovivo e Michael Gogl. Entre os ciclistas WorldTour os primeiros nomes que são ventilados dão conta de Simon Clarke (EF Pro) e Fabio Aru (UAE) além dos belgas Laurens De Vreese (Astana), Guillaume van Kreisbulck (CCC) e Sander Armée (Lotto).

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Como a elite construiu e destruiu o primeiro velódromo de São Paulo

O ciclismo chegou a São Paulo no finalzinho do século 19, trazido pela elite que se inspirava sobretudo nos franceses e ingleses. Na mesma época outros esportes atravessaram o oceano Atlântico como o Tênis e o “Jogo Inglês”, que virou o futebol. Da provinciana São Paulo a Paris, o sonho […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: