Barba cabelo e bigode, e mais barba!

Luiz Papillon

TdF – Etapa 17 -Marcel Kittel, você usa os produtos Alpecin só por que eles são seus patrocinadores? – É claro que não, eu gosto dos meus cabelos lindos de sedosos como os da Xuxa que usa Monange! Aparentemente, além de xampus e condicionadores, o fabricante alemão também faz bons produtos para as barbas de seus atletas. Talvez isso explique o desempenho de Simon Geschke, que fez barba, cabelo, bigode e pelos da perna na etapa 17 do Tour de France.

barba

Hoje, o dia já começou com a pancadaria comendo solta. Parecia jogo de handebol da sexta-série. De bandeira, Nairo Quintana lançou um ataque e Van Garderen sobrou do bloco. Começava então o pesadelo do americano da BMC. Nairo, como era de se esperar, só estava testando seus adversários e, ao que tudo indica Van Garderen não passaria nem em exame de fezes.

A primeira descida do dia seria no Col des Lèques – aaaaa, le leque, leque, leque. Nela, uma fuga volumosa formou-se. Ao todo, eram quase 30 pelegos abrindo vantagem do grupo do camisa amarela. O TJ foi ajudado pela BMC e voltou para o grupo, mas isso durou pouco. Alguns quilômetros depois, ele acabou abandonando a prova. Aparentemente, o corpo do americano não gosta muito de dias de descanso.

Depois desta descida, chagava a hora de escalar o Col de la Colle Saint-Michel. Contador aproveitou uma diminuição de velocidade do pelotão para tentar um ataque. Longe de estar em sua melhor forma, o Bife pareceu meio batido e nem a presença de Rogers evitou que ele fosse capturado pela Movistar. A Sky cansou da brincadeira e logo foi pra ponta do grupo, evitando novas gracinhas do tipo – ao menos até a última montanha da etapa. Alguns quilômetros mais tarde, o arco-íris afetou Michal Kwiatkowski e ele também abandonou o Tour.

Entrando na penúltima subida da etapa, o Col d’Allos, a fuga tinha uma boa vantagem do pelotão. Porém, a verdade é que o grupo dos líderes estava uma verdadeira zona – só faltou o Maronni para ficar perfeito.

Aproveitando-se da zona, Simon Geschke colocou as barbas de molho e atacou. Atrás dele, a fuga quebrou em dezenas de pedaços. Pinot, Yates, Talansky e Urán partiram na captura do alemão barbudo, mas só Pinot estava puxando. Cansado da situação, o Francês acelerou e cruzou o topo da montanha sozinho, um minuto atrás do alemão.

O asfalto da descida do Col d’Allos parece uma rua de Parelheiros, só que ladeira abaixo. O asfalto é um lixo, cheio de remendo e pequenas pedrinhas soltas. Pinot vinham mantendo a diferença para Geschke até mais ou menos metade do caminho, quando sua roda traseira escorregou e ele levou um pequeno capote.

A partir deste momento, o francês perdeu a confiança e recuou no melhor estilo Segunda Guerra Mundial. No fim da descida, ele havia sido ultrapassado por Talanski, Urán e Mathias Frank. Talanski subiu forte para tentar pegar o alemão barbudo, mas não teve como. No fim, Geschke cruzou em primeiro com sua barba de dar inveja em aluno da FFLCH. O segundo lugar ficou para Talanski (que quase morreu na linha) e o terceiro para Urán.

A treta pela amarela também foi tensa. Na penúltima subida do dia, Froome só tinha Porte para ajuda-lo. A Astana botou na frente meteu um passo forte. Como era de se esperar, o Tubarão tentou dar sua mordida, mas foi neutralizado por Froome, que trouxe Contador, Valverde e Quintana em sua roda.

Na hora da descida, o Tubarão mergulhou em velocidade máxima, sendo seguido de perto por seus adversários. Em um determinado momento, deu um Wiggins no braço do Contador e ele caiu. Com problemas mecânicos na bike, ele acabou trocando de magrelas com o Sagan (que vinha beeeeeeem atrás) e perdeu dois minutos no fim do dia.

Durante a última subida, Nairo Quintana atacou mas Froome respondeu. Em sua roda vieram Valverde, Niba e mais um Astana. Alguns instantes depois, o colombiano atacaria novamente. Desta vez, só Froome foi capaz de acompanhar a pancada do cocaleiro. No fim, os dois cruzaram a linha de chegada juntos.

Mais tarde a gente volta com a repercussão desse conturbado dia no Tour de France.

Confira o final da etapa.

Next Post

Dia dos franceses!

Romain Bardet, com o uniforme mais…feio do pelotão venceu a etapa 18 do ‪#‎TdF‬ que passou por um dos mais belos cenários de ciclismo os “Lacets de Montvernier”, imagem abaixo.   Pierre Rolland fez segundo escapado com uma descida impressionante, seguido de Winner Anacona da Movistar. Na geral quem subiu […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: