Tadej Pogacar e Jonas Vingegaard se encaram na Paris Nice

Luiz Papillon

O primeiro grande choque entre o bicampeão do Tour de France 2020/21 Tadej Pogacar e o campeão do Tour 2022 Jonas Vingegaard começa neste domingo. A Corrida para o Sol (La Course au Soleil) terá oito etapas sendo um contrarrelógio por equipes.

Tadej Pogacar | Foto Sprint Cycling Agency
Tadej Pogacar | Foto Sprint Cycling Agency

A transmissão da Paris-Nice, assim como a maioria das provas organizadas pela A.S.O. (Amaury Sports Organisation) para o Brasil será pelos canais ESPN, começando domingo 05/março às 11h na ESPN3.

História da Paris Nice

Disputada desde 1933 a corrida foi criada para promover dois jornais o Petit Paris e o Petit Nice por Albert Lejeune, aos poucos a prova recebeu apoio de outros jornais importantes como o L’auto e o Ce Soir (em português A Noite) braço na imprensa do Partido Comunista francês.

A prova só deixou de ser disputada durante a segunda guerra mundial e voltou a ser disputada em 1946 organizada pelo Ce Soir. Uma curiosidade é que Albert Lejeune foi sentenciado a morte em Nice por colaboração com a ocupação nazista e executado em Marselha. Em 1946 o jornal Ce Soir organizou a prova que sem patrocínio deixou de ser disputada até 1950. Em 1951 o prefeito de Nice reviveu a prova com o nome Paris-Côte d’Azur e em 1954 voltou ao nome original, após trocar de nome e mãos mais um par de vezes, no ano de 2000 o ciclista Laurent Fignon comprou a corrida e a repassou para a ASO em 2002.

A prova de 2003, primeira sob tutela da ASO ficou marcada com a trágica morte do cazaque Andrei Kivilev após uma queda. A tragédia levou a UCI a determinar o uso obrigatório do capacete em provas de estrada. A classificação geral foi vencida pelo também cazaque Alexander Vinokourov – atual diretor esportivo da Astana – que subiu ao pódio com uma imagem do colega falecido.

Vinokourov segura a imagem do compatriota falecido no pódio da Paris Nice | Foto Arquivo
Vinokourov segura a imagem do compatriota falecido no pódio da Paris Nice | Foto Arquivo

As polêmicas envolvendo a Paris-Nice seguiram, em 2008 na queda de braço entre UCI e ASO o então presidente da UCI ameaçou suspender as equipes que largassem na prova mas a associação das equipes votou contra a UCI e a prova aconteceu. Após esse evento a Velon foi criada com o intuito de ser um braço de organização de provas sem a ASO.

Vencedores da Paris Nice

O maior vencedor da Paris-Nice é o irlandês Seán Kelly com sete vitórias, Jacques Anquetil venceu cinco vezes. Entre os atuais competidores o espanhol Luis Leon Sanchez e o colombiano Sergio Luis Henao venceram uma vez cada. Nos últimos anos destaque para Max Schachmann, o alemão da Bora venceu as edições 2020 e 2021. O colombiano Egan Bernal, campeão em 2019 estava pré-escalado mas uma lesão no joelho tirou Bernal das provas por tempo indeterminado.

A Paris Nice 2023 tem Jonas Vingegaard e Tadej Pogacar

O nome de “Corrida para o Sol” não é a toa, a  largada no norte francês em direção ao calor da Riviera Francesa já próxima a primavera é o componente que pode dar tons dramáticos a disputa. No início da temporada Vingegaard (Jumbo) e Pogacar (UAE) humilharam a concorrência no Gran Camiño e na Ruta del Sol. Em tese as subidas da etapa rainha favorecem Vingegaard, assim como o contrarrelógio por equipes. Mas Pogacar está com a etapa 11 do Tour 2022 entalada e deve dar tudo e um pouco mais para gerar um pouco de dor na Jumbo.

Jonas Vingegaard | Foto Getty
Jonas Vingegaard | Foto Getty

Yates e Schachmann por fora, Arnaud De Lie no sprint

Por fora Simon Yates (Jayco) sempre perigoso e Dani Martinez (Ineos) podem surpreender. Não podemos ignorar a Bora com uma equipe fortíssima e Max Schachmann venceu duas vezes nos últimos anos por lá. Entre os ciclistas que devem estar no Top10 da volta merece destaque o dinamarquês Mattias Skjelmose da Trek e o francês Romain Bardet da DSM.

Entre os velocistas a sensação é claro Arnaud De Lie, o Touro de Lescheret terá adversários potentes para bater como Sam Bennett ou Olav Kooij e especialmente Mads Pedersen que pode se aproveitar na primeira etapa especialmente.

Paris Nice 2023 – Etapa 1 – La Verrière – 170km

A partida é em La Verrière uma pequena comunidade em Íle-de-France alguns quilômetros do Palácio de Versalhes. Etapa plana mas com “pegadinha” no final com uma rampa de 1.300m a 5.7% de inclinação que pode promover ataques. Ou seja, aposta em fuga ou chegada em massa (sprint).

Paris Nice 2023 – Etapa 2 – Bazainville a Fontaineleau – 163km

O vento cruzado é praticamente certeza e quando isso acontece é um show de “echelons”, quando grupos de ciclistas ficam na diagonal e isso permite quebra no pelote. Momentos de terror para quem está puxando a perseguição e alegria para o fã do esporte.

Paris Nice 2023 – Etapa 3 – Dampierre-en-Burly – 32,2km

Após o UAE Tour, agora na Paris-Nice o regresso do contrarrelógio por equipes. Uma das disciplinas mais interessantes e perigosas do ciclismo e que pode decidir uma volta. Serão 32,2km com poucas curvas fechadas. A última vez que um contrarrelógio por equipes fez parte da Paris Nice foi em 1993 onde a lendária equipe Once venceu com Laurent Jalabert e Alex Zulle.

Paris Nice 2023 – Etapa 4 – Saint-Amand-Montrond a La Loge des Gardes – 164.7km

A primeira subida séria da Paris Nice chega a La Loge des Gardes com 6,7km a 7,1% de inclinação média.

Paris Nice 2023 – Etapa 5 – Saint-Symphorien-sur-Coise a Saint-Paul-Trois-Châteaux – 212,4km

Essa etapa será interessante pela decisão logo na primeira subida onde a fuga pode fazer vingar uma boa diferença, etapa para fuga mas com chance dos velocistas tentarem neutralizar. Será uma etapa de caça ao rato.

Paris Nice 2023 – Etapa 6 – Tourve a La Colle-sur-Loup – 197,4km

Com quase 200km e muito sobe e desce, porém com subidas curtas e duríssimas, a fuga deve ter mais chances nessa etapa, especialmente com uma subida de 1800m e 10% de inclinação a 30km do final. Mas… do jeito que o World Tour está escalando, não será novidade acabar em sprint.

Paris Nice 2023 – Etapa 7 – Nice a Col de la Couillole – 142,9km

Duas subidas categorizadas apenas na etapa, mas são duas belas serras e que devem ser palco da decisão da Paris Nice 2023. Primeior a Côte de Tourette-du-Château com 17,8km a 4,6% e no final uma chegada ao alto da Col de la Couillole em 15,7km a 7.1%.

Paris Nice 2023 – Etapa 8 – Nice – 118,4km

Com cinco subidas categorizadas no que é o verdadeiro parque de diversões dos ciclistas já que muitas equipes fazem concentração (ou se você for gourmetizado, pode chamar de training camp). Tendo a Col d’Eze com 6km a 7,6% de inclinação como subida final antes da descida para o merecido espumante (a região de Limoux patrocina a prova) em Nice.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Demi Vollering galopa para vitória na Strade Bianche

Estranhou o nosso título? Pois desta vez a ciclista além de ser mais rápida que as adversárias teve que literalmente disputar posição com um cavalo na Strade Bianche realizada na região da Toscana na Itália. Voltando a prova, a estadunidense Kriten Faulkner (Jayco), estava escapada após Karlijn Swinkels (Jumbo) abrir […]

leia também

Receba as novidades em seu e-mail