Você já pensou em pular de um carro a 60km/h?

Hoje é o dia mundial sem carro, chegada da primavera no hemisfério sul.

Para lembrar da importância da conscientização sobre o uso otimizado do transporte e o Pelote destaca uma das muitas personalidades do ciclismo na última década.

millar

O ciclismo é um esporte estúpido. Na próxima vez que estiver em um carro viajando a 60km/h, pense como seria pular dele, nu claro. É mais ou menos assim quando nós caímos. 

Se você é iniciado no ciclismo provavelmente conhece a história de David Millar, e provavelmente esta chegando a hora do seu treino da tarde, melhor correr! Se não conhece o pelote traz essa mini biografia fora de ordem.

Hoje Millar tem uma marca de roupas de ciclismo a chpt3 e busca fundos para um filme sobre ciclismo profissional. O escocês grandalhão de 1,92m venceu em sua carreira quatro etapas do Tour de France, cinco na Vuelta e uma no Giro. Em 2003 Millar ganhou o mundial de contra relógio, destaque na mídia a possibilidade de entrar para o time britânico que já treinava para os jogos olímpicos, Millar era formado na Cofidis e tinha muito prestígio na equipe.

Ai veio a queda! Em 2004 jantava em um restaurante próximo a charmosa praia de Biarritz na França quando três policiais franceses o escoltaram para seu quarto de hotel, lá encontraram duas seringas e ele foi imediatamente preso, após algumas horas veio a confissão, que em acordo com as regras da UCI equivale a um positivo de doping, lhe tolhendo o título mundial aditivado, além da pena de dois anos a maior marretada veio da seleção britânica, banição perpétua. Millar marcou a época como o primeiro piloto da elite mundial a falar abertamente do uso do doping no ciclismo, de demônio a pregador da paz e assim começou a segunda parte de sua carreira pela Garmin Sharp, vencer limpo. Escreveu a biografia “Racing through the Dark” ou Correndo pela escuridão.

Penso que o esporte simplesmente fodeu com minha cabeça.

Em 2011 todo esse trabalho começou a ser recompensado, Dave Brailsford diretor de performance do ciclismo britânico colocou Millar na equipe que disputou o mundial de ciclismo, vencido por Mark Cavendish. Millar construiu uma reputação solida na Garmin como capitão, um especialista em trabalhar na fuga, o ano seguinte o foco era o último Tour que virou o livro “The Racer. O grande sonho eram as olimpíadas de Londres, mas para tal a pena de afastamento perpétuo precisava ser revista, e Brasilsford – que dizem era quem jantava com Millar quando foi preso – passou a pressionar o comitê olímpico britânico, Cavendish disparou mísseis verbais a favor do colega e apenas poucas semanas antes do início dos jogos a corte de apelação no esporte determinou que a pena anterior era draconiana e reverteu.

millar-gb

Millar não ganhou uma medalha, a vitória naqueles jogos ficou com Vino em sua performance mais memorável na carreira, Millar foi o penúltimo a completar a prova juntamente com Chris Froome, ainda correu profissionalmente mais duas temporadas e começou o terceiro capítulo de sua trajetória nome de sua marca, trabalhando no time britânico como mentor de jovens, orientando não só para atingirem o melhor potencial esportivo mas também em como lidar com a pressão pelo sucesso e o caminho do doping.

 

Não perde mais Alessandro Zanardi!

Durante muitos anos a narração esportiva de Teo José -hoje na Band/Bandsports- marcou uma era da Formula Indy no Brasil, com Zanardi foram 15 vitórias do carro vermelho da Chip Ganassi com patrocínio da Target, cuja trajetória foi interrompida bruscamente num acidente pavoroso em 2001 na Alemanha, Alex teve ambas pernas decepadas no acidente, perdeu 2/3 do volume de sangue que seu corpo carregava, entrou em coma e sua sobrevivência foi tida como um milagre.

Fim de linha? Após uma longa recuperação, Zanardi voltou as pistas em 2004 pela BMW disputando o campeonato italiano de Superturismo sendo campeão em 2005, depois passou a disputar o WTCC o campeonato mundial de Turismo tendo quatro vitórias entre 2003 e 2009. Em paralelo Zanardi, desde 2004 treinava a handbike para manter a forma, seu desempenho foi surpreendente e a transição excelente, em 2007 Zanardi já disputava o mundial de handbike da UCI , veio o sonho de disputar as olimpíadas de Londres.

Em Londres venceu o contra relógio individual e a corrida de estrada além de prata no revezamento por equipe, e ontem no Rio venceu o contra relógio individual conquistando sua 5ª medalha paraolímpica!

Se superação tivesse sobrenome, seria Zanardi.

Confira o clip da equipe italiana de ciclismo paraolímpico:

Gear Up, uma ideia sensacional!

Semana passada tivemos em São Paulo uma prova amadora com muitas novidades. O mais legal é que a prova aconteceu fechando uma das maiores avenidas da América Latina para a competição, algo difícil até para a FPC fazer na 09 de Julho, além disso a organização teve o cuidado de colocar na prova a Funvic, melhor equipe “ao sul da Colômbia” no ciclismo continental.

Gear Up! Bike Challenge - Fast Race - Marginal Pinheiros. 80, 40 e 20K

Clayton Pestana e Rodolfo do Pelote ao lado de Francisco Chamorro da Funvic

Nossos colegas foristas do pelote que participaram deram a noção de como foi a “Fast Race”.

A organização montou uma boa estrutura no Parque do Povo, além de apoio mecânico e mimos, que a FPC normalmente esquece, com repositores energéticos, frutas e água.

O traçado da prova de 80km diferencia-se do “PJ” – pelotão do jóquei – por subir a Ponte Estaiada, uma subida curta e dura -até 8,5%- rara em provas de critério que costumam ocorrer em parques ou circuitos “ovo” (vai e volta num trajeto curto), a organização fez ótimo trabalho sinalizando o circuito embora na primeira volta um pouco de confusão ao cruzar a marginal, algo perdoável para uma prova estreante. Confira o segmento no Strava da prova.

Clayton Pestana, bancário de 36 anos da Vila Prudente veio para a prova com o “pelote Mooca”, Ed Braz, Rodolfo e Alex CM  e descreve como é andar ao lado de atletas de elite:

A sensação de estar num grupo recheado de atletas de elite e de amadores dedicados, foi de que o grupo tinha uma organização natural e o ritmo era determinado e controlado até o final da prova pelas principais equipes. Porem sem desgastes desnecessários ou situações de risco, apenas a adrenalina da disputa e a busca pelo melhor resultado.
Uma prova que com certeza deve estar presente no calendário de provas da cidade e que deve contar com um número maior de adesão.

Clayton chegou em 31º no geral com tempo de 01:49:25

Com cerca de 1.100 inscritos, sendo 10 usuários do pelote, a Gear Up mostra que podemos ter provas de estrada com qualidade, se faltava gente séria e disposta a investir e ganhar dinheiro com o ciclismo de estrada, parece que não falta mais!

Deixamos os parabéns aos atletas que fizeram parte, a SX2 Eventos que organizou, e aos patrocinadores Dux nutrition, Orbea do Brasil, Pneus Vittoria, DryBike e Atleta 360.

Fica o aquela expectativa e “quando tem a próxima”!

shut-up-and-take-my-money

 

nota do editor:

Esse artigo não é pago, mencionamos os patrocinadores pois estão de parabéns em organizar um evento tão raro no ciclismo paulista.

 

 

 

 

Tinha que ser o Chaves!

Esteban Chaves e a Orica Bike Exchange aprontaram hoje na Vuelta.

Veja o vídeo com a emoção de Chaves ao descobrir que conquistou o pódio:

Com dois companheiros na fuga, Chaves conseguiu se destacar de Contador e bater o espanhol, na mais colombiana competição Grand Tour que já vimos.

Só contando:

Quintana ficou com o título, Chaves fez o pódio, Atapuma ficou em segundo na etapa!

E assim ficou o podio da Vuelta 2016, monstros!

podio

A Colômbia comemora! Quintana vence a Vuelta!

Etapa 20 da Vuelta 2016, com 193km de Benidorn ao Alto de Aitana passando por quatro subidas de segundas categoria e terminando numa pirambeira fora de categoria.

Após o contra relógio fantástico de ontem, Froome largou com 1’21” de desvantagem para Quintana.

profile

Logo no início, uma fuga da dupla Luis Leon Sanchez e Rudy Molard atacaram abrindo longa distância, com 40km para o final tinham quase 12 minutos de vantagem sobre o pelote. Sanchez manteve-se a frente por quase toda prova.

E um grupo perseguidor com 15 pilotos partiu na captura,  Gesink, Elissonde e Atapuma na perseguição apenas 1’30 da fuga.

Chegando na última subida do dia, uma serra longa , o Mont Ventoux espanhol, dada semelhança de distância e inclinação, na ponta ficou somente Sanchez na ponta com o grupo de Atapuma na perseguição e mais 3’15” do grupo de Chaves que tirava tempo de Contador.

profile

Durante a longa escalada Sanchez ficou pelo caminho, seu desempenho valeu o prêmio de piloto mais combativo do dia, a perseguição o alcançou e a frente a disputa ficou entre Atapuma (BMC) e Latour (AG2R) que sprintou e venceu a etapa, enquanto Froome atacou e levou consigo um determinado Quintana que assumiu a frente e fechou a etapa como vendedor da Vuelta 2016.

Confira o ultimo quilômetro:

 

Contador chegou perto mas não conseguiu bater Chaves que ficou com o terceiro lugar.

Classificação da Etapa:

1 Pierre-Roger Latour (Fra) AG2R La Mondiale 5:19:41
2 Darwin Atapuma (Col) BMC Racing Team 0:00:02
3 Fabio Felline (Ita) Trek-Segafredo 0:00:17
4 Mathias Frank (Swi) IAM Cycling 0:00:40
5 Robert Gesink (Ned) Team LottoNl-Jumbo 0:01:03
6 Bart De Clercq (Bel) Lotto Soudal 0:01:28
7 Rudy Molard (Fra) Cofidis, Solutions Credits 0:02:02
8 Lilian Calmejane (Fra) Direct Energie 0:03:01
9 Esteban Chaves (Col) Orica-BikeExchange 0:03:17
10 Nairo Quintana (Col) Movistar Team 0:04:03
11 Christopher Froome (GBr) Team Sky 0:04:05
12 Andrew Talansky (USA) Cannondale-Drapac 0:04:34
13 Alberto Contador (Spa) Tinkoff Team 0:04:41
14 Simon Yates (GBr) Orica-BikeExchange 0:05:04
15 David De La Cruz (Spa) Etixx – Quick-Step 0:05:10

A camisa de escalador fica com Omar Fraile, espanhol da Dimension Data com 58 pontos, apenas um a frente de Kenny Elissonde, francês da FdJ com o holandês Gesink em terceiro.

Fabio Felline da Trek ficou com a camisa verde de vencedor por pontos, com Quintana em segundo 3 pontos atrás, Valverde em terceiro e Froome em quarto.

 

 

Classificação geral:

1 Nairo Quintana (Col) Movistar Team 80:42:36
2 Christopher Froome (GBr) Team Sky 0:01:23
3 Esteban Chaves (Col) Orica-BikeExchange 0:04:08
4 Alberto Contador (Spa) Tinkoff Team 0:04:21
5 Andrew Talansky (USA) Cannondale-Drapac 0:07:43
6 Simon Yates (GBr) Orica-BikeExchange 0:08:33
7 David De La Cruz (Spa) Etixx – Quick-Step 0:11:18
8 Daniel Moreno (Spa) Movistar Team 0:13:04
9 Davide Formolo (Ita) Cannondale-Drapac 0:13:17
10 George Bennett (NZl) Team LottoNl-Jumbo 0:14:07

1 2 3 52