Alaphilippe é bicampeão da Fleche Wallonne

Luiz Papillon

Ficou tudo para a subida do Mur de Huy! E pela terceira vez na temporada a decisão teve Alaphilippe da Deceuninck contra Jakob Flugsang da Astana. Repetindo o final da Strade Bianchi, Alaphilippe esperou o que pode para atacar e vencer novamente sobre o bravo dinamarquês da Astana. Diego Ulissi da UAE foi o terceiro colocado.

83ª Fleche Wallonne – 195km

A semana de provas nas serras Ardenas na Bélgica começa com a Fleche Wallonne. Após a Amstel Gold Race que faz a transição das provas de paralelepípedos para as provas de subidas curtas e duras chega a vez de uma das provas de maior prestígio do calendário de clássicas. Entre os favoritos antes da prova iniciar todo destaque para Julian Alaphilippe e Alejandro Valverde. Alaphilippe vencedor de 2018 e com uma temporada fantástica em 2019 e Valverde o grande recordista de vitórias da prova com cinco triunfos.

Após algumas tentativas a fuga do dia se estabeleceu na marca de 20km de prova:

  • Koen Bouwman – Jumbo Visma
  • Joseph Rosskopf – CCC
  • Robin Carpenter – Rally UHC
  • Kenneth Van Rooy – Sport Vlaanderen
  • Tom Wirgten – Wallonie Bruxelles

A fuga chegou a ter mais de cinco minutos de vantagem para o pelote, porém ao chegar nas principais subidas a vantagem começou a despencar. Na primeira passagem no Mur de Huy a 60km do final a vantagem estava em 2’44”. No topo do Mur de Huy a fuga estava separada e espalhada com o trio Rosskopf, Bouwman e Carpenter liderando por 20 segundos, algumas perseguições e o pelote a 2’40”.

Um grupo de perseguição com Nathan Haas, Tomasz Marczynski, Michael Gogl, Damiano Caruso, Perichon, Benedetti, Gorka e Slagter passou a diminuir a vantagem da fuga. No pelote uma queda com Adam Yates, Pozzovivo e Kreuziger preocupou especialmente por Pozzovivo. Nesse momento as câmeras mostravam Peter Sagan sobrando miseravelmente, a escolha por não pular o final das clássicas para se recuperar fisicamente custou caro ao tricampeão mundial.

Final de prova

Tomasz Marcynski acabou ficando solo por um bom tempo e do grupo selecionado atacou Matej Mohoric. O esloveno da Bahrain conseguiu fazer a ponte e juntar-se ao polonês Marcynski e assim entraram pelos 10km finais. O grupo alcançou a fuga e o final seria coletivo com o grupo selecionado, Valverde, Alaphilippe, Wellens encaixados. Na subida do Mur de Huy entraram no quilômetro final de prova com a Lotto na frente do pelote. O primeiro a colocar a frente foi Jakob Flugsang, a reação veio com Alaphilippe, veríamos uma repetição do final da Strade Bianchi e da Amstel Gold Race. ALaphilippe subiu na roda de Flugsang e atacou na hora certa para ser o bicampeão da prova!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Confira o whatsapp do novato Alan Riou após a Paris Roubaix

Entre os 174 ciclistas que largaram na Paris Roubaix 2019, apenas 100 completaram dentro do tempo limite. Outros 10 ciclistas terminaram acima do tempo limite, entre eles Alan Riou da Arkéa Samsic.  O francês de 22 anos estreou na prova e sua equipe preparou um vídeo com o diálogo via […]

leia também

Receba as novidades em seu e-mail