Paris Nice 2020 começa no próximo domingo.

Luiz Papillon

Neste domingo começa a 78ª edição da Paris Nice percorrendo 1216,5km. A prova abre a temporada de ciclismo na ESPN e inclui vinte e quatro montanhas em oito etapas. Por conta da epidemia de coronavírus na Itália, as provas italianas foram canceladas. Ainda assim muitas equipes optaram por não disputar provas durante o período para não ajudar alastrar a epidemia. As equipes que desistiram de participar na Paris Nice 2020:

Astana, CCC, Mitchelton Scott, Movistar, Ineos, Jumbo Visma e UAE Team Emirates. Todas alegando problemas relacionados ao coronavírus. Contudo a Cofidis por exemplo, participará da prova mesmo com boa parte de sua direção e ciclistas em quarentena na cidade de Abu Dabi nos Emirados Árabes Unidos.

Assim apenas doze equipes WorldTour disputarão a prova. Completam a lista de inscritas as equipes continentais francesas e uma equipe profissional continental belga. Confira:

Equipes Participantes da Paris Nice 2020

World Tour:

  • Ag2r La Mondiale
  • Bahrain – McLaren
  • Bora Hansgrohe
  • Cofidis
  • Deceuninck Quick Step
  • EF Pro Cycling
  • Groupama FDJ
  • Israel Start-up Nation
  • Lotto Soudal
  • NTT Pro Cycling
  • Sunweb
  • Trek Segafredo

Equipes Profissionais Continentais:

  • Arkéa Samsic
  • B&B Hotels – Vital Concept
  • Circus – Wanty Gobert
  • Nippo Delko One Provence
  • Total Direct Energie

 

Favoritos, destaques e nomes para observar na Paris Nice 2020

Como toda prova de ciclismo a Paris Nice possui várias competições em uma. Da luta por vitória em etapas a classificação geral são diversas disputas e muitos prêmios em dinheiro para os ciclistas. Para a classificação geral com certeza teremos os escaladores como Nairo Quintana, Romain Bardet e Vicenzo Nibali como principais favoritos. Já para disputa por pontos, Julian Alaphilippe e Peter Sagan são favoritos. E finalmente na disputa por vitórias em sprint, teremos Sam Bennett contra Caleb Ewan, Elia Viviani e mesmo Peter Sagan.

 

Guia de Etapas da Paris Nice 2020

A organização planejou uma competição com vários sabores para o amante do ciclismo. A primeira etapa parte nos arredores de Paris, a pequena Plaisir de 32.000 habitantes, uma etapa bem plana com três subidas categorizadas e curtas. Porém a 1.4km da chegada há uma rampa de 1.4km a 7.8% de inclinação média que promete selecionar os ciclistas dando mais chance para classicomanos como Peter Sagan e Julian Alaphilippe.

Já as segunda e terceira etapas são bem planas e sem dessabores para os velocistas puros. Assim podemos tomar por favoritos Caleb Ewan, ascal Ackermann, Sam Bennett e Elia Viviani.

Na quarta etapa acontece o contra relógio individual. Com 15,1km e duas rampas de subida a etapa promete mexer com a classificação geral. Logo na largada os dois primeiros quilômetros sobem com inclinação de até 5%. Depois na marca de 4km há uma subida com 6,7% de inclinação para então descer para a chegada. O recordista mundial da hora Victor Campenaerts é um dos favoritos a vitória, mas não será surpresa se Julian Alaphilippe ou Bob Jungels da Deceuninck Quick Step disputarem a vitória.

Uma montanha russa com quatro subidas categorizadas espera os cilistas na quinta etapa. Talvez a etapa com característica mais favorável a vitória da fuga. Na sexta etapa as montanhas ficam mais duras e serão seis subidas categorizadas, agora com a Col de Murs de 10,4km e a Col du Pointu com 3,5km. Uma etapa para os escaladores se testarem, Nairo Quintana, Xandro Meurisse e Thibaut Pinot são favoritos. Na sétima etapa quatro subidas categorizadas sendo a chegada em uma subida de primeira categoria com 16,3km a 6,3%. A Valdeblore la Colmiane será o grande desafio da Paris Nice 2020.

Finalmente a última etapa em Nice trás quatro subidas categorizadas sendo a primeira a mais dua, a subida a Col de la Porte com 13,1km. Os ciclistas sobem desde o começo da etapa até a marca de 51km. Ainda restarão três subidas nessa etapa explosiva com apenas 113,5km.

Etapas Paris Nice 2020 – Arte pelote.com.br

História

Disputada desde 1933 a corrida foi criada para promover dois jornais o Petit Paris e o Petit Nice por Albert Lejeune, aos poucos a prova recebeu apoio de outros jornais importantes como o L’auto e o Ce Soir (em português A noite) braço na imprensa do Partido Comunista francês.

A prova só deixou de ser disputada durante a segunda guerra mundial e voltou a ser disputada em 1946 organizada pelo Ce Soir. Uma curiosidade é que Albert Lejeune foi sentenciado a morte em Nice por colaboração com a ocupação nazista e executado em Marselha, em 1946 o jornal Ce Soir organizou a prova que sem patrocínio deixou de ser disputada até 1950. Em 1951 o prefeito de Nice reviveu a prova com o nome Paris-Côte d’Azur e em 1954 voltou ao nome original, após trocar de nome e mãos mais um par de vezes em 2000 o ciclista Laurent Fignon comprou a corrida e a repassou para a ASO em 2002.

A prova de 2003, primeira sob tutela da ASO ficou marcada com a trágica morte do cazaque Andrei Kivilev após uma queda. A tragédia levou a UCI a determinar o uso obrigatório do capacete em provas de estrada. A classificação geral foi vencida pelo também cazaque Alexander Vinokourov – atual diretor esportivo da Astana – que subiu ao pódio com uma imagem do colega falecido.

As polêmicas envolvendo a Paris-Nice seguiram, em 2008 na queda de braço entre UCI e ASO o então presidente da UCI ameaçou suspender as equipes que largassem na prova mas a associação das equipes votou contra a UCI e a prova aconteceu. Após esse evento a Velon foi criada com o intuito de ser um braço de organização de provas sem a ASO.

Vencedores

O maior vencedor da Paris-Nice é o irlandês Seán Kelly com sete vitórias, Jacques Anquetil venceu cinco vezes. Entre os atuais competidores o espanhol Luis Leon Sanchez e o colombiano Sergio Luis Henao venceram uma vez cada.

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Milão Sanremo em outubro? A difícil tarefa de encontrar datas para as provas italianas!

A epidemia do coronavírus na Itália provocou o cancelamento das provas de primavera no país. Agora a organizadora RCS luta contra o tempo para encontrar datas no calendário para suas principais provas. Dona da Gazzetta dello Sport, a RCS possui nas provas de ciclismo um importante ativo de mídia e […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: