Espetacular Gilbert vence Volta a Flandres

Com um ataque faltando 55km para o final, Philippe Gilbert, atual campeão belga de 34 anos, campeão mundial de 2012, vencedor dos 3 dias De Panne nesta semana, segundo colocado na ultima E3 Harebeke  venceu de forma espetacular a Volta a Flandres, um voo solo, um pouco de azar dos competidores diretos já que Sagan caiu levando consigo Avermaet e Naesen e o dia foi de Gilbert que teve tempo para levantar sua bicicleta na linha de chegada! O ataque solo vencedor mais longo em 101 anos! Confira os melhores momentos da prova:

Um dia especial para o ciclismo, a segunda monumento da temporada, a 101ª Volta a Flandres – Ronde Van Vlaanderen em flamenco – com 260km partindo de Antuérpia indo em direção as serras Ardenas belgas, dezoito subidas duras e muito inclinadas embora curtas e cinco sessões de paralelepípedos para finalizar na Oude Kwaremont-Paterberg.

Na apresentação e saída oficial de cada equipe o herói belga Tom Boonen foi o mais aplaudido em sua última semana como profissional já que se aposenta semana que vem na Paris-Roubaix, nove quilômetros neutralizados para sair de Antuérpia, um fato curioso faltando pouco mais de 2km para o início do da disputa uma série de pilotos incluindo Peter Sagan pararam para um chamado da natureza, mais leves e uma bandeira indicou o início da disputa.


Um grupo de de oito pilotos logo na largada pulou a frente mostrando que já tinham combinado a fuga, rapidamente colocaram tempo no pelote que seguia tranquilo, com apenas 50km rodados a fuga tinha impressionantes onze minutos sobre o pelote que só aumentou o passo com 100km girados, como se os primeiros 100km fossem uma introdução.

Na passagem pela Tenbosse a sétima subida da prova, os oito líderes eram Mark McNally da Wanty, Oliviero Troia da Emirates, Julien Duval da Ag2r, Michael Goolards e Stef Zummeren da Veranda’s, Julian Morice da Direct Energie, Edward Planckaert da Baloise e André Looij da Roompot com seis minutos para o pelote. Na aproximação do Muur, Philippe Gilbert atacou do pelote o que motivou uma reação do pelote que organizou uma perseguição, um grupo com Tom Boonen, Philippe Gilbert, Matteo Trentin (Quick-Step), Bryan Coquard, Sylvain Chavanel (Direct Energie), Arnaud Démare (FDJ), Sep Vanmarcke (Cannondale-Drapac), Alexander Kristoff (Katusha), Luke Rowe, Gianni Moscon (Sky), Maciej Bodnar (Bora-Hansgrohe), Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), Sacha Modolo (UAE Emirates), Pieter Vanspeybrouck (Wanty-Groupe Gobert).

A situação levou a Bora e BMC para cabeça do pelote para aumentarem o passo, na frente  a fuga via sua vantagem ser reduzida rapidamente, não seria da fuga a vitória, com 58km par o final o grupo de Boonen começou a pegar os sobrados da fuga,na subida do Kwaremont Gilbert atacou e seguiu sozinho, o rádio da equipe comandava “morra por isso” (no sentido de dar tudo) e com 53km para o final uma queda tirou Sep Vanmarcke (Cannondale) e Luke Rowe (Sky) de quaquer chance de vitória.

A perseguição ficou resumida a nove pilotos, sendo dois deles da mesma equipe do líder, Boonen e Trentin, enquanto Coquard, Chavanel, Moscon, Demare, Stuyven, Sacha Modolo e Kristoff com cerca de um minuto de vantagem para o pelote e quarenta segundos de desvantagem para Gilbert solo.

Avermaet e Sagan passaram para a cabeça do pelote com objetivo de fechar a diferença para o grupo de perseguição, e na subida do Koppenberg começaram a reconectar, durante a descida podiamos ver Gilbert com 40″ de vantagem sobre Van Baarle e Fabio Felline e 20″ atrás o pelote reduzido mas com todos a maioria dos favoritos, a exceção de Vanmarcke e Luke Rowe.

Com 36km para o final, Tom Boonen teve uma quebra de gancheira no meio da subida do Taaienberg, perdendo o grupo de perseguição e mesmo com muita força ficou impossível para o veterano reagrupar, na perseguição Sagan aparecia mais vezes na frente de um grupo com Avermaet e Naesen, na descida o grupo fechou a diferença para Fellini, era uma perseguição de cinco pilotos com um minuto de desvantagem para Gilbert, faltavam 30km par ao final e não havia dúvidas, ou dava Gilbert ou um dos sete: Sagan (Bora), Avermaet (BMC), Offredo (Wanty), Naesen (Ag2r), Trentin (Quick-Step), Felline (Trek) e Van Baarle (Cannondale). O grupo atrás com Kristoff, Boasson Hagen, Pipo Pozzato levava 30″ de atraso.

Na ponta Gilbert seguia fazendo muita força e levando a galera belga a loucura, 20km para o final e o belga seguia no modo contra relógio com uma vantagem de 50 segundos! Ele tinha tudo para vencer, na perseguição Trentin e Van Baarle sempre que iam para ponta quebravam o ritmo, eles não queriam ajudar Sagan e Avermaet de modo algum, restavam duas montanhas a Oude Kwaremont e o Paterberg. E com 16km para o final o imponderável, Sagan pilotava muito junto da grade e pegou provavelmente uma proteção um pouco aberta e foi ao chão junto com Naesen e Avermaet, fim de chances para o trio, a prova era de Gilbert.

Ainda restavam 11km para Avermaet, restavam Van Baarle, Avermaet e Terpstra na perseguição e claro Terpstra não trabalhava, só ia para frente para quebrar o ritmo, atrás honrando os espectadores Sagan, Boonen seguiam para completar a prova. Gilbert gritava para o carro da Quick-Step “Qual a vantagem” e o carro informava, 50 segundos e 10km o separavam da vitória, mas o ataque solo começava a cobrar seu preço, com 256km pedalados a vantagem caia para 35″, restavam apenas 4000m separando Gilbert da vitória, não deu para ninguém Gilbert venceu com folga para levantar sua bicicleta sobre a linha! Avermaet ficou em segundo, Filippo Pozzato da Wilier do brasileiro Rafael Andriato chegou em oitavo.

Confira os 10 primeiros na prova:

Deixe uma resposta