Primeira trans-gênero campeã mundial pela UCI abre discussão no ciclismo

O fato ocorreu no mundial de masters da UCI na cidade de Los Angeles nos Estados Unidos. A doutora em filosofia Rachel McKinnon é professora assistente na faculdade de Charleston no estado da Carolina do Sul. Ativista pelos direitos transgêneros ela possui um canal no youtube no qual defende a integração dos atletas transgêneros. Durante as quartas de final para a velocidade em 200m, Rachel ainda que por pouco tempo, bateu o recorde mundial para sua categoria. O recorde foi novamente batido dez minutos depois. Mas a consagração veio na final, onde levou a medalha de ouro. Assim Rachel ficou com o título da categoria 35 a 39 anos ao bater a holandesa Carolien Van Herrikhuyzen e a americana Jennifer Wagner.

Dra Rachel Mc Kinnon

A UCI segue determinação do COI e CAS

A testosterona é um hormônio natural anabolizante encontrado em homens e mulheres, porém com razão menor nas mulheres. O hormônio testosterona estimula o metabolismo fazendo com que o corpo utilize a gordura acumulada como forma de energia. Após uma polêmica envolvendo a atleta trans africana Caster Semenya, o comitê Olímpico Internacional (COI) juntamente com o CAS (Comitê de Arbitragem do Esporte) alterou o patamar considerado normal para atletas trans gêneros. Enquanto para mulheres o nível considerado normal é entre 0,5 e 3,0 nmol/l (nanomol por litro de plasma sanguíneo), para atletas trans competirem no gênero feminino basta ser abaixo de 10,0 nmol/l. O nível de testosterona considerado normal para homens é entre 12,0 e 35,0 nmol/l.

Direito a disputa esportiva, um direito humano ou um privilégio?

A polêmica envolvendo atletas transgêneros em competições esportivas recai, especialmente pelo fato desses atletas biologicamente masculinos terem durante a vida desenvolvido a capacidade anaeróbica e muscular como homens e somente após adultos terem optado pela transição de gênero. Aqui no Brasil ficou conhecido na grande mídia o caso da jogadora de vôlei feminino Tifanny Abreu.

Muitos dos demais competidores acreditam que é uma disputa injusta, pois a testosterona produzida pela mulher transgênera é muito maior que a produzida pela mulher cis (aquela que é biologicamente do sexo feminino).

“Focar na vantagem de performance é irrelevante pois isso é uma questão de direitos legais. Nós não deveríamos nos horrorizar sobre pessoas trans conquistarem os Jogos Olímpicos. Deveríamos nos preocupar sobre a justiça e os direitos humanos.” Rachel McKinnon

Para a medalhista olímpica Ana Paula Henkel é uma questão de fisiologia, que promove uma disputa injusta para a mulher cis.

“Muitas jogadoras não vão se pronunciar, com medo da injusta patrulha, mas a maioria não acha justo uma trans jogar com as mulheres. E não é! O corpo foi construído com testosterona durante toda a vida. Não é preconceito é fisiologia” Ana Paula Henkel

Assim a polêmica segue duas linhas, uma primeira que entende ser um direito competir com o gênero com que mais se identifica e outra, de que essa competição cria um privilégio que impede mulheres cis em ter uma disputa mais justa. Por enquanto a competição segue unida embora alguns defendam a criação de uma categoria específica.

A constituição física

A constituição do homem possui coração, pulmão e capacidade aeróbica distintas sendo a estrutura músculo-esquelética constituída com níveis de testosterona masculino. Essa vantagem não é equiparável ao desempenho de atletas biologicamente femininas. Assim embora concordemos e exaltemos a necessidade de inclusão de todos no esporte de alto desempenho, defendemos também o equilíbrio e para tal a necessidade é de categorias equivalentes.

6 thoughts on “Primeira trans-gênero campeã mundial pela UCI abre discussão no ciclismo

  1. Um princípio básico para o esporte de competição é a similaridade. No boxe, por exemplo, as categorias distinguem os atletas. Eu, sendo magrelo, jamais lutaria com um “Stallone” de 110 km. No ciclismo ou MTB já estaria indo para a categoria dos tiozinhos… Kkk. 41 anos.

    Agora, porque dizer que é justo colocar um marmanjo que cresceu como homem, biologicamente falando? Se ele desmunhecou é problema dele (a), mas não clame por justiça, pois não é correto nem justo. Homem é homem. Mulher é mulher. Meio termo não será jamais um ou outro, portanto, ou se cria uma categoria desgarrada, ou estarão prejudicando a maioria para referenciar alguns poucos díspares.
    Justiça e direito são outras coisas!!

  2. Nao adianta pode ter costumes feminino por opçao sexual nao muda e um homem correndo ciclismo na categoria feminina ganhou desonestamente esse piao tem que criar vergonha na cara a uci tem que tirar nao e lugar pra esse piao ai nao

  3. Pergunta por não saber mesmo: ao contrário acontece também? Há mulheres masculinizadas querendo correr nas competições contra os homens? Acho que daí daria para continuar a discussão! Sugestão, Pelote!! Abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Nona edição da Brasil Ride tem entrevista com melhores do mundo no sábado

Evento será realizado às 19h no lounge de cerimônia da Brasil Ride, no centro de Arraial d’Ajuda, em Porto Seguro (BA) São Paulo (SP) – A nona edição da Brasil Ride, uma das mais difíceis ultramaratonas de mountain bike do mundo, terá neste sábado (20), às 19h, entrevista coletiva com […]

leia também

Receba as novidades em seu e-mail