Quando o Tour de France encantou Freddy Mercury

A banda inglesa Queen esteve por algum tempo na Suíça, fugindo de impostos lascivos e essa passagem produziu dois sucessos com bicicletas. A Bicycle Race inspirada no Tour de France e a Fat Bottomed Girls. Trago um pouco da história por trás dessas músicas. E destaco a viagem por um tempo onde temas como o homossexualismo e a nudez eram tabus. O pelote não utiliza imagens sensuais de ciclistas pois acredita em um mundo sem exploração da imagem da mulher no cunho sexual, neste texto utilizando o nu de forma artística.

Bicycle Race – A corrida de Bicicletas

O ano é 1978 e  o reino unido atravessava uma crise fiscal e social da qual só sairia por completo em meados dos anos 90. Sob a tutela de Margaret Thatcher o governo ampliou impostos sobre royalties para 98% o que motivou a banda Queen que gravaria seu sétimo álbum a utilizar um estúdio na pequena Montreaux na Suíça. Farrokh Bulsara conhecido mundialmente como Freddie Mercury descansava em um hotel em Mountreux quando a população toda parou para ver a caravana do Tour de France. Aliás o Tour de 78 é especial por vários motivos e pretendo escrever especialmente sobre ele. A inspiração rendeu a letra de Bicycle Race. Freddie Mercury, na composição faz brincadeira com a cultura pop da época (o filme Tubarões, Star Wars, Superman…) mostra o clima e humor do público entusiasmado com a corrida que vai passar:

“Esqueça todos seus deveres, as garotas bundudas estarão pedalando hoje, então vamos olhar para essas belezas”

Fat Bottomed Girls – Garotas Bundudas

Antes de atirar a primeira pedra, tenha em mente a época em que a canção foi escrita. Brian May, guitarrista e líder da banda escreveu a letra pensando em um jovem que gostava de garotas plus-size e em entrevista para a Mojo Maganize em 2008 confessou:

“Eu escrevi com o Freddie em minha mente, como você faria especialmente se você tivesse um grande cantor que gostasse de garotas plus size… ou garotos”

Mas a polêmica não ficou só no título e na letra bastante sexista quando revisitada nos dias atuais, a proposital polêmica veio acompanhada em sua versão single (um disco compacto de 7″): A capa com uma garota nu pedalando. Não precisou muito para lojistas do Reino Unido se recusarem a manter o disco em estoque e a gravadora fez um retoque na arte:

Para coroar a busca por polêmica a produção do vídeo de Bicycle Race colocou sessenta e cinco modelos pedalando nus no palco da aristocracia britânica: Wimbledon Greyhound Stadium (O estádio para corrida de cachorros). Além do vídeo de divulgação, uma foto virou a capa do single de Bicycle Race. Na Turnê de 1978 nos EUA a banda colocou seis ciclistas pedalando nus sobre o palco.

Toda essa polêmica levou a um colunista da revista Rolling Stone classificar a banda como fascista, machista e arrogante. Durante a turnê do álbum Jazz onde as músicas foram compiladas a banda levava ao palco artistas performáticos trans, strippers e homens vestidos como freiras numa clara afronta a sociedade e modos da época. Jazz foi considerado um álbum de transição para os grandes e maiores sucessos da banda que trocou a polêmica pelo amor de Crazy little thing called Love. Abaixo a versão ao vivo para Fat Bottomed Girls em São Paulo no ano de 1981.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.