Flavia Oliveira suspensa por uso de corticoesteroide que será permitido a partir de janeiro

Luiz Papillon

A ciclista Flavia Oliveira, melhor brasileira na história do ciclismo em prova olímpica com um sétimo lugar no Rio 2016, foi suspensa por seis meses pela autoridade americana anti-doping a USADA. Flavia ficará inelegível para provas até 16/04/2021, podendo peticionar recurso em janeiro para redução da pena. A substância Vilanterol, para qual a ciclista testou será permitida a partir de janeiro.

Crise alérgica e asma levaram a ciclista ao médico

Flavia Oliveira de 38 anos mora na Califórnia e competiu algumas provas nos EUA antes do início da pandemia do coronavírus.

Tudo começou com uma crise alérgica e de asma. Em 19 de fevereiro a ciclista visitou um médico que prescreveu corretamente o medicamento Trelegy, que contem Vilanterol. Após o uso, Flávia competiu no Tour of The Sourthern Highlands, no estado da Virgínia do Norte nos EUA onde testou positivo para o medicamento em 01/03/2020. Após ser notificada do teste positivo, Flavia pediu uma exceção de uso terapeutico, apresentando a receita médica de fevereiro.

A USADA aprovou o uso terapêutico do medicamento, porém negou sua retroatividade, punindo a ciclista com seis meses de suspensão. Sendo essa a segunda violação no período de 10 anos. Amenizando a situação a WADA anunciou que a partir de janeiro o Vilanterol inalado não será mais proibido se utilizado até a dose diária máxima recomendada pelo fabricante do medicamento, o que foi o caso de Flavia. Flávia poderá então fazer uma requisição a USADA para que tenha a pena reduzida.

Flavia Oliveira | Foto: Imprensa Memorial

Suspensão de 2019 foi por suplemento esportivo

Flavia foi punida em 2019 por testar para higenamina durante a prova do campeonato brasileiro de ciclismo em 2018 (leia aqui). A higenamina, causa da primeira violação da ciclista em 2018 é a mesma que serviu de suspensão para dois atletas do Athletico Paranaense, Thiago Heleno e Camacho. O problema é que a droga embora de uso proibido pela Agência Mundial Antidoping, é permitida e utilizada em muitos suplementos esportivos nos EUA.

Segunda ou terceira violação?

Em 2019, destacamos a polêmica envolvendo a reincidência de Flávia. Flávia teve um positivo em 2009 que a suspendeu por dois anos, em matéria do blog Olhar Olímpico, o jornalista Demétrio Vecchioli destacou a infração. Ocorre que a Wada considera prescrita qualquer pena superior a 10 anos, o que foi o caso. Assim a ciclista coleciona três violações por doping na carreira.

O escritório  Franklin Advogados, que fez a defesa da ciclista perante o TJAD em 2019, divulgou nota para imprensa pontuando os fatos. Em acordo com Marcelo Martins, o caso de 2009 esta prescrito e por isso não aparece nas listagens da UCI. Martins cita o artigo do código da WADA onde esta descrita a prescrição:

“Artigo 17: Prescrição. Nenhuma ação poderá ser iniciada contra um Atleta ou outra pessoa por uma violação da regra contida no Código, a menos que tal ação seja iniciada dentro de (8) anos a partir da data em que a violação tiver ocorrido.

Artigo 10.7.5: Violações múltiplas da regra antidopagem durante um período de oito anos.

Para os fins do Artigo 10.7, cada violação da regra antidopagem deve ocorrer dentro do mesmo período de oito anos, a fim de ser considerada uma violação múltipla”

Como o intervalo entre os casos é superior a oito anos, o procedimento adotado pelo tribunal esta correto.

 

 

 

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Volta Ciclística de Goiás tem Ribeirão e Memorial na disputa

Caldas Novas em Goiás recebe a 17ª Volta Ciclística de Goiás. Disputada em cinco dias com 06 etapas em cinco dias de disputa, a prova conta com a presença das principais equipes do ciclismo brasileiro como a continental Ribeirão Preto e a Memorial de Santos. A disputa é organizada pelo […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: