Pogacar vence etapa explosiva na Vuelta

Luiz Papillon

Tadej Pogacar, o jovem esloveno de 20 anos de idade venceu a etapa rainha da Vuelta 2019. Após uma polêmica ordem de equipe da Movistar para que Marc Soler esperasse Nairo Quintana, o ciclista espanhol reclamou muito  mas esperou seu companheiro de equipe.

E esse tempo de espera permitiu que Pogacar abrisse vantagem para vencer em Cortals d’Encamp. Atrás Nairo Quintana cheogu em segundo seguido de Primoz Roglic e Alejandro Valverde. Miguel Angel Lopez teria sofrido uma pequena queda durante o tempo em que a prova ficou sem transmissão e esse fato o deixou para trás. Com o resultado Nairo Quintana assumiu a camisa de líder na classificação geral.

Vuelta 2019 – Etapa 9 – Andorra la Vella a Cortals d’Encamp 94,5km

Andorra é um principado encravado nos Pirineus entre a Espanha e a França. Local de grande turismo, a pequena cidade de Andorra la Vella (Andorra a Velha) recebe sozinha mais turistas estrangeiros que o Brasil inteiro. As vésperas do primeiro dia de descanso desta Vuelta 2019 tivemos uma etapa explosiva com apenas 94,5km e um absurdo de subidas.

A principal expectativa era a dificuldade para a Cofidis em mater a camisa de líder com Nicolas Edet. Assim que largaram os ciclistas passaram a força total no intuito de estabelecer a fuga do dia. Os escapados escalaram a Coll d’Ordino com Mikel Bizkarra da Euskadi vencendo a meta com Paddy Bevin da CCC em segundo. Durante a descida a dupla foi alcançada formando um grupo de mais de 30 ciclistas escapados.

O furo de Esteban Chaves e o freio a disco

Durante a primeira subida, Esteban Chaves foi visto encostando sua bicicleta e pegando outra de um colega. Como apenas Chaves optou pela bicicleta com freio a disco, não foi possível “trocar roda”com seu companheiro. Com muito trabalho a Mitchelton tratou de recolocar Chaves no pelote. Porém acho bom desmistificar algumas informações.

Esteban Chaves – Mitchelton Scott – Captura da TV

Primeiramente as principais marcas conseguem construir e montar bicicletas com freio a disco dentro do limite de peso da UCI, assim o ciclista não carrega “peso a mais”. Porém há sempre o risco de um furo em local onde o carro de apoio esta distante. E foi exatamente isso que aconteceu com Chaves. Vale lembrar que não é apenas uma escolha de marketing. Em uma etapa com longas descidas e a possibilidade de chuva, utilizar freio a disco pode representar um ganho real para o ciclista.

Assim escolher a bicicleta com ou sem freio a disco é uma escolha estratégica e pode fazer a diferença para uma derrota ou vitória.

Ataque atrás de ataque com Superman Lopez

A próxima escalada do dia foi a Collada de la Gallina, uma subida fora de categoria com 12.1km e 8.4% de inclinação média. No topo venceu a meta Geoffrey Bouchard da Ag2r seguido de Hermann Pernsteiner da Bahrain Merida e Mikel Bizkarra. Mais uma pirambeira, desta vez a La Comella com 4.5km e 7.6% de inclinação média e novos ataques. Primeiro Wilco Kelderman depois Nairo Quintana e Superman Lopez e finalmente Alejandro Valverde. Literalmente ataque atrás de ataque.

No topo de La Comella novamente Bouchard venceu a meta seguido por Ben O’Connor da Dimension Data e Tao Geoghegan Hart da Ineos. A sequência de hostilidades no pelote permitiu que Jakob Flugsang e Superman Lopez colocassem quase 30 segundos de vantagem sobre o grupo que trazia Valverde, Quintana e Roglic. A chuva intensa surgiu para colocar um componente a mais na prova. Se por um lado os ciclistas que optam por freio a disco corre o risco de perder tempo com um furo, por outro lado com chuva a vantagem do freio a disco é enorme.

A prova seguiu sem imagens por um bom período. A informação que veio através das próprias equipes foi que tanto Superman Lopez como Primoz Roglic caíram no trecho sem asfalto durante a tormenta. Com o retorno das imagens vimos a seguinte situação de prova:

  • Bouchard, O’Connor e Geoghegan Hart
  • 20″ , doze ciclistas entre eles Soler, Kelderman e Gesink.
  • 38″Superman Lopez, Valverde e Nairo Quintana
  • 1:00 Grupo Roglic
  • +4:20 Grupo Edet

Marc Soler reclama acintosamente de ordem de equipe

Marc Soler – Captura da TV

Veio então a ordem da equipe Movistar para que Marc Soler esperasse Nairo Quintana. Soler reclamou muito mas Nairo Quintana demorou para alcançar Soler. No entanto Tadej Pogacar da UAE que não tinha nada com isso acelerou para escapar da dupla. Atrás Valverde atacava para deixar Lopez para trás. Ao final da etapa Pogacar venceu pela primeira vez na carreira uma etapa de grande volta. Nairo Quintana assumiu a camisa de líder na classificação geral, agora com Roglic 6 segundos atrás, Lopez a 17 e Valverde 20 segundos atrás. Pogacar surge no quinto lugar já a 1:42 de Quintana.

Classificação da Etapa 9 – Vuelta 2019

1    Tadej Pogacar (Eslovênia) UAE Team Emirates    2:58:09
2    Nairo Quintana (Colômbia) Movistar Team    0:00:23
3    Primoz Roglic (Eslovênia) Team Jumbo-Visma    0:00:48
4    Alejandro Valverde (Espanha) Movistar Team    0:00:48
5    Marc Soler (Espanha) Movistar Team    0:00:57
6    Hermann Pernsteiner (Áustria) Bahrain-Merida    0:00:59
7    Sergio Higuita (Colômbia) EF Education First    0:01:01
8    Wilco Kelderman (Holanda) Team Sunweb    0:01:01
9    Miguel Angel Lopez (Colômbia) Astana Pro Team    0:01:01
10    Tao Geoghegan Hart (Reino Unido) Team Sky    0:01:38

 

Classificação Geral – Vuelta 2019

1   Nairo Quintana (Colômbia) Movistar Team    35:18:18
2   Primoz Roglic (Eslovênia) Team Jumbo-Visma    0:00:06
3   Miguel Angel Lopez (Colômbia) Astana Pro Team    0:00:17
4   Alejandro Valverde (Espanha) Movistar Team    0:00:20
5   Tadej Pogacar (Eslovênia) UAE Team Emirates    0:01:42
6   C.F. Hagen (Noruega) Lotto Soudal   0:01:46
7   Nicolas Edet (França) Cofidis    0:02:21
8   Rafal Majka (Polônia) Bora Hansgrohe    0:03:22
9   Wilco Kelderman (Holanda) Team Sunweb    0:03:53
10   Tao Geoghegan Hart (Reino Unido) Team Sky    0:04:46

 

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Roglic voa baixo e vence em Pau!

Um contra relógio individual muito técnico, uma etapa perfeita para Primoz Roglic. E o esloveno da Jumbo Visma não deixou por menos e fez um tempo fantástico com média de 46.131km/h para a distância de 36.2km. Em segundo na etapa ficou o neozelandês Patrick Bevin da CCC e em terceiro […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: