De maior sprinter do planeta ao limbo: Marcel Kittel

Luiz Papillon

Com um cartel de 91 vitórias na carreira, sendo 14 vitórias no Tour de France, aquele que já foi considerado o maior sprinter do planeta deixa ao menos momentaneamente o ciclismo. Falo de Marcel Kittel, a decisão de romper o contrato com a Katusha antes do final da temporada chocou o mundo do ciclismo. Especulações correm pelo mundo entre a depressão e a possibilidade de assinar no meio do ano com outra equipe.

Eu poderia especular muita coisa, mas fico com as palavras do ex-chefe de Kittel e maior especialista em vitórias na modalidade, Patrick Lefevere, diretor da Deceuninck Quick Step:

“Eu não acredito que ele esteja acabado! Ele não esta machucado, ele não faz coisas estúpidas. Para mim ele continua o mais rápido sprinter do pelote. Ele precisa de uma boa liderança que tudo irá bem, mas baseado puramente na base atlética, na minha opinião ele é o mais rápido” Patrick Lefevere

 

Marcel Kittel, de maior sprinter do planeta a pausa (ou fim) na carreira

O ano é 2011, após vencer quatro etapas World Tour na volta a Polônia o jovem Marcel Kittel da Skil Shimano venceu uma etapa da Vuelta da Espanha seguido pelo também jovem Peter Sagan. Surgia para o mundo um ciclista tímido, forte e ágil. Em 2013 o jovem alemão venceria quatro etapas do Tour de France de modo avassalador deixando gigantes como André Greipel e Mark Cavendish para trás. O Tour de 2013 também colocou a pequena Argos Shimano para o mundo com a mudança de atitude em relação ao doping, sendo retratada no documentário Clean Spirit. A equipe Argos perdeu patrocínio, tornou-se Giant Shimano, Giant Alpecin e enquanto isso Marcel Kittel empilhava vitórias. A dificuldade da equipe em conseguir um patrocínio que lhe garantisse a temporada de 2016 acabou por levar o sprinter para outro caminho.

O casamento perfeito: Marcel Kittel e Quick Step

O melhor sprinter do mundo na melhor equipe de sprinter do mundo, veio então o casamento perfeito. Marcel Kittel venceu em duas temporadas 26 provas, sendo 7 etapas do Tour de France. O mundo do ciclismo reverenciava seu rei. Aos 27 anos Kittel era o melhor sprinter do planeta. Veio então a oportunidade de um grande contrato. Com sua patrocinadora pessoal a Alpecin investindo pesado na equipe de origem russa mas agora com sede na Suíça: Katusha Alpecin. Contrato de multi-temporada com alguns milhões de euros na conta. Agora Kittel participava do olimpo do esporte mundial, onde dentre milhões de praticantes no mundo apenas um punhado consegue chegar.

Katusha o cemitério de talentos

Seria uma nova fase para Kittel e para a Katusha. Até começou bem com duas vitórias na Tirreno Adriático de 2018. Mas ficou por ai, o desempenho tanto da equipe como de Kittel despencaram. A Katusha teve apenas cinco vitórias em 2018. Em 2019 a equipe esta ainda pior, com uma vitória 1.1 (o mais baixo do ciclismo europeu) com o próprio Kittel e uma vitória de Rick Zabel no Tour de Yorkshire (2.HC). Não são números sequer decentes. Equipes da segunda divisão como a Vital Concept tem o triplo de vitórias na mesma altura da temporada. A equipe Katusha tem ótimos nomes como Ilnur Zakarin, Nils Politt e Enrico Battaglin. Mas algo acontece ali que simplesmente os resultados não acontecem. Tony Martin quatro vezes campeão mundial de contra-relógio passou em branco por dois anos na Katusha, já na Jumbo ressurgiu com ótimas performances. Assim no ciclismo mundial, se vencer é prioridade a Katusha não é um destino viável.

Assim coloco essa questão ao leitor, será Kittel o problema? Eu entendo que não, Lefevere entende que não e o histórico de talentos enterrados na equipe demonstra que não. Por isso credito a equipe como cemitério de talentos.

Marcel Kittel parou, o fim ou a chance de um recomeço?

Sem confiança, Kittel começou a gostar mais do tempo em eventos de marketing do que de corridas. Rumores de uma depressão passaram a circular na radio-pelote e neste dia 09 de maio de 2019 veio o anuncio da parada, que reproduzo abaixo. Quais as opções para Kittel no futuro? Pode colocar a cabeça no lugar e ressurgir? Se afundará numa depressão? Terá um contrato milionário no bolso para o meio do ano? São muitas especulações, mas do lado de cá do teclado torço demais para que ele volte.

A declaração de Marcel Kittel

Marcel Kittel anunciou em seu site pessoal que deixa momentaneamente o ciclismo. Não confessou a depressão, mas fico nítido no peso das palavras:

“Para mim foi um longo processo para chegar a essa decisão, onde eu levantei diversas questões sobre como e onde eu quero chegar como pessoa e atleta e o que é realmente importante para mim. Eu amo pedalar e minha paixão por esse belo esporte nunca se acabou, mas eu também sei o que isso requer de mim e o que eu preciso para ter sucesso. Eu acredito que cada um tem seus fortes e fracos e isso é um processo continuo para lidar com sigo mesmo e com a equipe para ser forte e obter exito. Nos últimos dois meses eu tenho tido o sentimento de estar exausto. Nesse momento eu não estou capacitado para treinar e competir no mais alto nível Por essa razão, eu decidi dar um tempo, tirar um tempo para mim, pensar nos meus objetivos e fazer um plano para o futuro.

Nesse ponto eu gostaria de agradecer a equipe pelos 1,5 anos e todo seu suporte. Especialmente eu gostaria de agradecer a equipe de apoio. Do fundo do meu coração eu posso dizer que eles são os melhores e mais trabalhadores que já conheci. Eu gostaria de agradecer aos patrocinadores e parceiro que continuam acreditando na equipe com seu suporte e conhecimento. 

Eu tomei essa decisão baseado na minha experiência que mudanças levam você a novos caminhos e oportunidades. Apesar de todas inseguranças eu confio que ao fim encontrarei novas chances e desafios. De agora em diante eu colocarei minha alegria e felicidade acima de tudo e procurarei caminhos para encontrar isso no meu futuro. Eu estou muito excitado  sobre o que esta para acontecer. Eu gostaria de pedalar e competir novamente no futuro e eu tenho que trabalhar um plano para estar apto a conseguir esse objetivo.

Esse é o maior desafio de minha carreira e eu estou aceitando isso.”

 

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Giro de Itália 2019 - Favoritos

Estamos praticamente as vésperas do Giro de Itália 2019, e traço o perfil dos favoritos ao título. Faço também uma pequena sessão Mãe Dinah (para você jovem nascido neste milênio, Mãe Dinah era uma vidente famosa). Começo com minha prévia. Embora para muitos da imprensa o nome a ser batido […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: