Ciclismo digital é esporte?

Nesse tempo de corridas presenciais suspensas por todo mundo (a UCI vetou até 01/Agosto todas competições), os principais ciclistas e equipes passaram a disputar provas digitais.

Os formatos de disputa vem sendo aprimorados e modificados pelos organizadores, uma certeza é a distância para o ciclismo “de verdade”. As principais plataformas digitais ofereceram algum tipo de desafio digital.

Plataformas digitais além do Zwift

Sem dúvidas a plataforma online mais difundida e utilizada no mundo é o Zwift. Desde 2015 no ar, o jogo passou a ser uma ferramenta de treinamento. Além do Zwift as principais plataformas são o Rouvy, o BigringVR o Bkool e o Road Grand Tours. O Zwift sem dúvidas tem o visual mais “arcade” das plataformas e permite milhares de conexões simultâneas.

O Rouvy mistura a realidade virtual com a real, dando opção ao usuário escolher entre um vídeo do local original e o visual arcade:

Diferenças para vida real

Claro não vamos aqui mensurar o fator risco, equilíbrio e técnica de pilotagem da bicicleta. As principais diferenças do ciclismo digital começam com a duração de prova. Com provas durando entre 30 minutos e 1 hora, os resultados de provas digitais favorecem especialistas em contra relógio. Afinal eles são mais adaptados a colocar uma determinada potência por muito tempo sobre a bicicleta. Assim no recém concluído Tour da Suíça Digital, os especialistas venceram três das cinco etapas. Assim para obter sucesso online é preciso encarar de forma completamente distinta a prova. Para poder equiparar a prova online com a real seria preciso de fato termos perto de 5h de prova.

Um fator que pesa é o emocional, por isso talvez o Zwift com seus milhares de usuários online a qualquer hora seja tão atrativo. A sensação de socializar ainda que seja via mensagens ou mesmo utilizando servidores de áudio para falar com outros jogadores é um fator muito importante. Afinal sentar na bicicleta e ficar 3h pedalando parado é quase um desafio para entrar em K’un Lun (Cidade Mitológica do Universo Marvel).

Assim posso afirmar que o ciclismo digital é um esporte totalmente diferente do ciclismo real, porém uma importante ferramenta de treinamento. Em especial para aqueles que não dispõem de tempo para treinar na rua e/ou precisam fazer um treinamento estruturado em ambiente controlado.

Pedalar ao lado de profissionais

Vamos lá, são raras as vezes que você pode pedalar ao lado de profissionais. Nas plataformas online isso passa a ser possível. Muitas vezes com comentários e narração dos próprios. Recentemente Geraint Thomas pedalou por 36h em três pedais afim de arrecadar dinheiro para o NHS (SUS Inglês). Assim além de uma importante ferramenta de treinamento, o simulador online pode ser também uma ferramenta social.

Visibilidade ao Patrocinador

O principal motivo para constante aparição online dos ciclistas profissionais é a visibilidade de seus patrocinadores. Os contratos tanto individuais como por equipe exigem um retorno de mídia. Assim a eRacing passou a dividir o noticiário com as remarcações e datas de adiamento feitas pela UCI nesta crise do coronavírus.

Toda equipe profissional além do patrocinador principal, trás em seu grupo de apoiadores marcas relacionadas ao ciclismo, entre elas a de rolos de treinamento. Na Europa os rolos de treinamento são utilizados especialmente durante o inverno. Assim as principais marcas de rolo de treino passaram a disputar a preferência do consumidor.

As marcas que dominam o mercado são a holandesa Tacx e a italiana Elite. Além delas a espanhola Zycle e a americana Kurt Kinetic também oferecem produtos “smart” . No Brasil a Tacx é representada pela Ciclo Leiriense, a Elite pela Blue Cycle. A Zycle é importado pela Labici e a Kinetic pela 3A Distribuidora.

Rolo Smart interativo, uma ferramenta cara

Mesmo com um rolo livre ou um rolo de treinamento tradicional você consegue utilizar as plataformas digitais. Porém não consegue utilizar o que de maior realidade virtual os simuladores oferecerem: Ajuste de potência automático.

Rolo de Trinamento Cyclotronics

Do Tacx Flow ao Elite Drivo, os rolos smart interativos ultrapassam a marca de R$5.000. Seu principal diferencial é oferecer ao usuário o ajuste eletrônico da potência, ou seja se no jogo o avatar está subindo uma ladeira, o rolo vai frear para simular aquela subida e obrigar o usuário a fazer mais força. Além dessa função outra igualmente exclusiva é a possibilidade de ajustar uma determinada potência (modo HRG no zwift) para treinamento (exemplo, pedalar por 50 minutos exatamente a 250w).

Além do preço, devido a crise do coronavírus, os rolos interativos desapareceram do mercado. O brasileiro cyclotronics está com espera de 120 dias enquanto o Kinetic H1 de 180 dias.

One thought on “Ciclismo digital é esporte?

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Lições do Coronavírus, pensar local e de modo sustentável

Aqui na cidade grande tudo está mais silencioso, calmo e com menor poluição. As pessoas nas grandes cidades voltam a enxergar estrelas, ouvir pássaros e isso é uma lição que não podemos deixar passar em branco. O alerta vem da Holanda, onde um grupo de 170 cientistas veem a oportunidade […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: