Tour Colômbia começa nesta terça. Alaphilippe, Egan Bernal e Seleção Brasileira confirmados.

Luiz Papillon

Julian Alaphilippe, Egan Bernal, Richard Carapaz e Fabio Aru são alguns dos nomes que a partir de amanhã disputam o Tour Colômbia 2.1. Com equipes das primeiras divisões do ciclismo profissional a prova colombiana terá também a presença de seleções entre elas a brasileira.

Uma dura competição com seis etapas que representam a união de um país e sua projeção em um mundo esportivo. Assim o presidente da federação colombiana de ciclismo Jorge Mauricio Vargas Carreña define o Tour da Colômbia que começa nesta segunda feita. Entre as estrelas presentes, seis equipes World Tour, três equipe ProTeam europeias, duas Proteam americanas, dez equipes continentais americanas e europeias além de cinco seleções nacionais entre elas a brasileira.

Uma diferença você pode perceber na nomenclatura aqui, a partir deste ano as equipes profissionais continentais recebem o nome de ProTeam, causando uma certa confusão com o antigo nome ProTour utilizado até 2009. Convenhamos a UCI adora uma mudança em perfumaria.

Etapas Tour Colômbia 2.1 | arte: Pelote Ciclismo

Festa do ciclismo colombiano terá atuais vencedores do Tour  de France e do Giro!

E se tem um país que é apaixonado por ciclismo é a Colômbia, agora com latinos vencedores atuais do Tour de France e Giro d’Italia presentes na prova? Certeza de multidões assistindo. Entre as estrelas presentes estão o colombiano Egan Bernal e o equatoriano Richard Carapaz, respectivamente campeões do Tour de France e do Giro d’Itália de 2019. Além deles o italiano Fabio Aru, campeão da Vuelta a España 2015 inicia sua temporada após um 2019 complicado. Ainda estarão presentes nomes como Julian Alaphilippe e Rigoberto Uran.

Pódio do Tour Colômbia 2.1 em 2019 | Foto: Divulgação

Apesar de muitos ciclistas estarem começando a temporada na Colômbia e digamos assim irem com o pé mais leve, a expectativa é de muita disputa. Para as chegadas em velocidade podemos destacar Alvaro Hodeg pela Deceuninck Quick Step, Juan Sebastian Molano pela UAE, Robin Carpenter pela Rally e Travis Mccabe pela Israel SN. Agora na classificação geral, além dos astros colombianos, temos um “vovô” radicado na Colômbia, falo claro de Óscar Sevilla, espanhol que aos 43 anos segue competindo em alto nível.

No papel a equipe Ineos tem a melhor equipe, mas além da gana dos colombianos de Medellin com Sevilla, veremos nomes como Daniel Martínez e Miguel Florez dando trabalho. Já pelas seleções destaque para Esteban Chaves, o pequeno e sempre sorridente escalador da Mitchelton que pediu para correr a prova nacional.

Seleção Brasileira com reforços na Colômbia

Seleção Brasileira de Ciclismo | Foto: Arquivo Pessoal Marcelo Donnabella

Após uma excelente apresentação na disputa da Vuelta a San Juan na Argentina, a seleção brasileira comandada pelo técnico Marcelo Donnabella da Equipe de Ciclismo de Ribeirão Preto, chega com reforços.  O campeão brasileiro de ciclismo Vitor Zucco e o experiente Lauro Chaman juntam-se a equipe que é escalada:

  • 231. Vitor Zucco (EvoPro Racing)
  • 232. Alessandro Guimarães (Ribeirão Preto)
  • 233. Vinícius Rangel (Valverde Team Terra Fecundis)
  • 234. Lauro Chaman (Memorial Cycling Team)
  • 235. Marcos Levy da Matta (Ribeirão Preto)
  • 236. Renan Quadri (Ribeirão Preto)

Jovens garotos com um experiente ciclista para comandar o time. Podemos prever tentativas de fuga com Zucco e Rangel nas montanhas além das escapadas de Indinho e Chaman. Não cobre nem espere grandes resultados de cara, essa seleção renovada busca justamente dar rodagem internacional e experiência a garotos entre 23 e 26 anos. O objetivo desse time passa por resgatar também a imagem desgastada do ciclismo brasileiro. Toda sorte para nossos garotos!

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

UCI atualiza política de participação de atletas transgêneros em competições

Exigência para atletas trans competirem na categoria feminina reduz de 10nmol/l para 5nmol/l o nível de testosterona aceito. Período de elegibilidade passa a monitorar pelos 12 meses anterior ao pedido de competir pela nova categoria. Em linha com o anúncio feito em novembro de 2019, a União Ciclística Internacional (UCI) […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: