Vino mandou um abraço para a galera do MPCC e botou o Boom pra pedalar. Talvez a Astana seja expulsa do grupo.

ZomboDroid04072015042410

Bom, antes de tudo, vamos explicar rapidinho esse lance do cortisol baixo e o que ele quer ou não dizer. É fato que, para correr de bicicleta, o pelego tem que treinar para c-a-r-a-l-h-o-o-o. Por conta do ritmo de treino, competição, tombo e afins, muitas vezes o atleta pode se machucar ou simplesmente entrar em sobretreino.

Para essa situação, ele pode tomar Glococorticoides, um tipo de anti-inflamatório que permite correr sem dor mesmo estando lesionado (o que, obviamente, é uma merda para o corpo). Só que, quando toma essa paradinha, o cortisol acaba caindo.

Aí, para preservar a saúde a longo prazo dos ciclistas, a MPCC (grupo formado por algumas equipes que querem um ciclismo limpo), criou o famigerado e polêmico teste do cortisol. Se ele der baixo, quem concordou em fazer parte do grupo não pode deixar o atleta largar.

O Lars rodou nesse exame e a UCI falou que a Astana não poderia substituí-lo – deixando o Niba desfalcado de um cara importante. Acontece que tem UMA PORRADA de coisa que baixa o cortisol, e todas elas perfeitamente dentro da legalidade.

No caso do Lars, Vino jogou a culpa na boa e velha bombinha de asma (sempre ela). Se foi isso ou não, a gente não sabe. O que a gente sabe é que a Astana teve que tomar uma decisão osso, ainda mais que o filme dela já estava mais queimado do que couro cabeludo de ciclista careca pedalando no sol.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.