Não deu em nada!

O que era uma simples manifestação por mais respeito ao ciclista se transformou em caso de policia, no já distante fevereiro de 2011 um motorista atropelou e causou lesão em 17 pessoas, uma verdadeira carnificina.

Em qualquer lugar do mundo isso seria motivo para prisão flagrante sem liberdade condicional, mas no país do “não sei de nada” o tempo sempre corre a favor do réu. Apenas 5 anos depois o julgamento aconteceu.
Mesmo condenado a 12 anos em regime fechado pela tentativa de homicídio de 11 pessoas mais lesão corporal de 5, o atropelador de Porto Alegre saiu pela porta da frente do tribunal.

Como pode apelar à instâncias superiores o homicida responde em liberdade, você pode ser preso em flagrante por portar uma arma, mas se utilizar um veículo de 1.500kg para tentar matar dezenas de pessoas, você não será preso. O atropelador agora irá recorrer, sempre no final do prazo, já que no Brasil não importa que tenha sido julgado e condenado, parte dos crimes pode prescrever contando com a lentidão da justiça.

Deixe uma resposta