Lições do Giro 2019!

É amigo leitor, foram 21 dias de prova com algumas etapas sensacionais que coroaram os campeões do Giro 2019. Richard Carapaz o equatoriano de 26 anos da Movistar ganhou o Giro d’Italia, Pascal Ackermann foi o vencedor por pontos, Giulio Ciccone o escalador e Miguel Angel Lopez o melhor jovem. Mas o Giro 2019 não foi só isso. Destaco aqui alguns pontos chave:

A chave da vitória da Movistar

Equipe Movistar comemora a vitória no Giro 2019

Escalar um time que lute pelo reconhecimento e trabalhe pelo companheiro foi mais que fundamental. Vimos todos da equipe trabalhando por resultados. O foco da equipe em trabalhar Landa e Carapaz na classificação geral e ignorar vitórias em etapas foi a principal razão da vitória. O envolvimento foi tamanho que mesmo um individualista como Mikel Landa trabalhou por Carapaz. A pergunta que ficará é como a Movistar vai se comportar no Tour? Irá a equipe novamente desgastar gregários por vitórias isoladas de Valverde, deixando Quintana órfão na classificação geral? O caminho esta claro, resta saber se o choque de egos será administrado.

O Giro não é vencido em uma etapa mas perdido

Em 2017 Tom Dumoulin protagonizou um momento memorável no ciclismo ao efetuar uma parada para um chamado da natureza. Piadas a parte Dumoulin conseguiu manter o psicológico naquele momento de tensão e perdas consideráveis. O mesmo não aconteceu este ano com Roglic. Uma somatória de problemas e coincidências na etapa 15 colaboraram para sua tragédia. O carro de apoio de Roglic parou para atender o chamado da natureza de um de seus ocupantes. No exato momento o cambio dianteiro de Roglic travou e foi arrancado do quadro no tranco dado. Roglic não poderia pedalar aquela bicicleta. Apenas um gregário parou para ajudar, mas ai em outro azar justamente esse ciclista utiliza os manetes de freio invertidos. Parece algo simples que um profissional poderia gerenciar, mas frear invertido em uma descida técnica a 70km/h precisando recuperar tempo é tudo, menos fácil.

Queda de Primoz Roglic | Captura de TV

Roglic além do estresse, desgaste físico pela queda perdeu 40 segundos para seus adversários. É possível dizer que Roglic jamais esteve no mesmo nível após a etapa 15. Ali, nessa somatória de pequenos problemas o Giro escapava das mãos do esloveno. Para piorar a sua equipe não teve gregários à altura de Roglic, em muitos momentos via-se Carapaz com dois gregários, Nibali com Caruso e Roglic sozinho. Nibali soube provocar o esloveno mas captou rapidamente a cilada em que estava. O experiente italiano sabia que não seria páreo em qualidade e nem em número para a esquadra de escaladores da Movistar. Por isso Nibali provocava diariamente Roglic para que esse atacasse, até que em certo momento vaticinou na etapa 13 quando Carapaz tirou quatro minutos importantíssimos:

Eu disse a ele que se ele quer ganhar o Giro tem que pedalar! Roglic esta bem posicionado na geral mas se ele continuar a girar assim ele não irá ganhar esse Giro. Eu posso não ganhar, mas nem ele irá!” Vicenzo Nibali

Terminaram em Alta no Giro

Fausto Masnada

 

Obviamente Richard Carapaz foi o ciclista mais valorizado no Giro 2019. O equatoriano já tem uma proposta de contrato com a Ineos (antiga Sky) com dez vezes o salário recebido na Movistar. Dizem que essa oferta foi efetivada na primeira semana do Giro, antes mesmo dele vestir a Maglia Rosa. No top10 do Giro uma novidade: Pavel Sivakov, o russo (que poderá optar pela nacionalidade francesa) fez um giro consistente aos 21 anos de idade. Destaque ao respeito enorme mostrado por Valerio Conti para com o Giro e com a Maglia Rosa.

Valerio Conti

O nono lugar com uma equipe quase toda juvenil da Ineos foi um feito. Sean Bennett da EF fez sua primeira grande volta, o americano de 23 anos teve consistentes sprints e boas chegadas em média montanha.  Entre os super-gregários, a performance que se destaco sem dúvida foi de Damiano Caruso, o italiano de 31 anos foi uma moto para Nibali. Entre os sprinters além do vencedor da ciclamino Pascal Ackermann, destaco Rudiger Selig também da Bora. O último embalador de Ackermann tinha o “tanque tão cheio” que fez três top10. Simone Consonni, sprinter reserva da UAE fez um ótimo trabalho embora não tenha vencido uma etapa. Caleb Ewan venceu duas etapas, batendo Viviani, Gaviria e Ackermann, mostrando forma.

Finalmente entre os escaladores, Giulio Ciccone mostrou grande disposição em capturar pontos pela maglia azurra. Mas o desempenho que chamou atenção foi da dupla da Androni Giocattoli, Fausto Masnada e Mattia Cattaneo. A dupla esteve em muitas fugas, e em todas chegadas ao alto acompanhou os principais escaladores do circuito. A Gazzetta dello Sport afirma que Masnada já tem contrato com a CCC enquanto Cattaneo seguirá para Astana.

A porta de trás do Giro

O triste do Giro foi sem dúvidas a suspensão de Kristijan Koren da Bahrain, do diretor esportivo Borut Bozic também da Bahrain, além do comentarista e ex-ciclista Alessandro Petacchi na Operação Aderlass. No âmbito esportivo, alguns ciclistas vão perdendo suas chances de mostrar que são do primeiro time. Rafal Majka é o maior exemplo, não é nem nunca será um competidor para liderar equipe. Eu gostaria de ver o Zakarin em uma equipe com melhores gregários que a Katusha, mas decepção do Giro fica por conta de Simon Yates. De vencedor da Vuelta e com um belo Giro em 2018, ele desapareceu nessa edição.

Entre os sprinters a decepção ficou por conta de Elia Viviani, de grande estrela e campeão italiano até o abandono para se poupar. Vale mencionar também a vacilada da Groupama e Arnaud Démare que lhes custou a ciclamino. Démare precisava chegar 4, 5 posições atrás de Ackermann e se perdeu em um sprint não muito difícil já sem Ewan e Viviani. Entre os escaladores a decepção foi Ivan Sosa, a esperança de um grande Giro ficou com atuações apagadas. Miguel Angel Lopez por tudo que envolve seu nome e a qualidade de sua equipe fez um Giro pra lá de discreto. Apesar da camisa branca, este é o quinto ano de profissional do colombiano que precisa deixar de ser a eterna promessa e ser o Superman que todos esperam.

Agradecimentos

Publico na etapa 20 do Giro 2019

Obrigado caro leitor por acompanhar essa grande volta com o Pelote. Obrigado aos parceiros do pelote e mídia de ciclismo que de algum modo colaboraram, apontaram erros, criticaram e compartilharam o pelote. Sem você isso aqui já teria morrido faz tempo. Uma experiência nova foi o Cornetacast um podcast de ciclismo cuja audiência vem aumentando e se deve sobretudo ao esforço de uma galera que ama o ciclismo. Siga esse pessoal:

Estela Farah

Camisa Amarela (Marcelo e Rafa)

CornetaCiclismo (Gustavo)

Digital Cycling (Beto, Igor e Gio)

@dociclismo

Leandro Bittar

Nafuga (Pedro)

MundoBici (Panara)

Sidney White (GCN em Português)

Solta o Freio (Fernando)

Ciclismo Pro (Fernando Blanco)

Junior Simões

Por fim um agradecimento especial ao Junimba. Ele transformou uma viagem em uma fantástica cobertura do Giro 2019 e teve o carinho de compartilhar esses momentos com o Pelote permitindo uma cobertura muito melhor que nos últimos anos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.