Giro d’Italia Etapa 20

O dia que a pistolada saiu pela culatra.

AlDyBfKNle8_UrsYoMXZZGASaLqUfa7njGDQf-Zta4QU

 

Hoje, na 20ª etapa do Giro, o martelo incansável da Astana conseguiu quebrar as fibras do bife de Alberto Contador. Depois de três semanas fazendo muita força, o Pistoleiro finalmente mostrou não ser um ET e sucumbiu aos ataques de seus principais rivais na luta pela camisa rosa.

 

O primeiro soco veio de Mikel Landa, no meio da subida de terra do Colle delle Finestre, o Cima Coppi desta edição. Depois da forte aceleração do espanhol de sobrancelhas fartas, Contador ainda tentou utilizar seu estilo dançante inconfundível para sambar na cara da sociedade pelotistica, mas rapidamente percebeu que não teria forças para acompanhar o rival. Neste instante, contentou-se em sentar enquanto observava Landa abrindo uma grande vantagem.

Durante a pancada, Fabio deu uma Aruzada e sobrou, enquanto Contador era acompanhando de perto pelos surpreendentes Ryder Hesjedal e Steven Kruijswijk.  Porém, rapidamente Aru recuperou-se, alcançado facilmente o homem das pistolas. No processo, trouxe consigo Rigoberto Uran e mais um gregário da Astana.

Quando a situação parecia estabilizada, Hesjedal  acelerou, seguido de Uran e Aru. Todos esperavam uma resposta imediata do camisa rosa, mas hoje a carne de Contador parecia ter passado do ponto, fato comprovado pelo gap de quase 2 minutos que o grupo composto por Aru, Uran, Hesjedal e Kruijswijk abriu no restante da morro.

Porém, ao chegar à parte plana que antecedia a última subida, Contador utilizou a famosa técnica do Kaioken, reduzindo sua desvantagem para apenas 40 segundos. Enquanto isso, o grupo de Aru chegava a Mikel Landa, que imprimiu um ritmo frenético durante boa parte do Sestriere, o derradeiro desafio do dia.

A 2,5km da meta, quando a revelação espanhola da Astana finalmente bateu lata, Aru lançou um ataque fortíssimo. Sua primeira aceleração fez tchan e lá se foi Ryder Hesjedal. Alguns segundos depois, uma segunda pancada fez tchun e Rigoberto Uran ficou a ver navios – ok, não tinha nenhum navio lá, mas se tivesse certamente Rigoberto os veria.

Depois disso, o atleta italiano só precisou manter a velocidade elevada para vencer a etapa de forma brilhante. Ryder meteu o chinelo (RÁ) e conseguiu roubar o segundo posto de Uran, que ficou com a terceira posição seguido de perto por Landa. Para evitar que seu chefe Oleg ficasse vermelho de raiva, o camisa rosa fez força até ficar roxo para cruzar linha branca com pouco mais de 2 minutos de atraso.

Na etapa de amanhã, os atletas percorrerão 178 quilômetros planos. Com  uma vantagem de pouco mais de 2 minutos sobre Aru, Contador só perder esse Giro se furar um pneu, cair ou arrebentar o ombro sem direito a beijinho da Valeska – coisas que podem acontecer a qualquer momento na emocionante volta italiana.

Deixe uma resposta