Mads pedersen venceu a Gent Wevelgem

Luiz Papillon

Uma belíssima corrida e vitória de Mads Pedersen! O dinamarquês da Trek Segafredo que foi campeão do mundo ano passado venceu após um final de muitos ataques. Em segundo ficou o francês Florian Sénéchal da Deceuninck Quick Step e em terceiro o italiano Matteo Trentin pela CCC.

82ª Gent Wevelgem – 232.5km

Uma prova espetacular! A 82ª Gent Wevelgem nos Campos Flandres é uma das clássicas flamengas que antecede a Volta a Flandres, cujo nome original é Ronde van Vlaanderen, que significa exatamente Volta aos Flandres.

Geralmente é uma que encaixa sempre no calendário dos ciclistas com características de velocistas e clássicos. Os setores com paralelepípedos e duras condições climáticas fazem dos seus mais de 200km uma prova muito boa para acompanhar. Nos ultimos anos quem mais chegou no pódio da prova foi Peter Sagan, contudo o eslovaco este ano disputa o Giro d’Italia e por isso não está na prova.

Os efeitos da parada forçada pela pandemia do coronavírus foram condensar em três meses, quase nove meses de provas. Isso acabou diminuindo o número de favoritos para essas provas, seja por várias acontecerem ao mesmo tempo, seja por um acidente praticamente tirar o ciclista da temporada.

Antes da largada, dois ciclistas não largaram devido ao coronavírus. O belga Tiesj Benoot da Sunweb não largou por segurança, afinal ele viajou com Jan Bakelandts da Wanty Gobert que testou positivo para covid-19.

Entre os favoritos a vitória na prova, estavam o holandês Mathieu van der Poel, o belga Wout van Aert e o alemão John Degenkolb.

Fuga com Mark Cavendish

A fuga da manhã teve estrela, o britânico Mark Cavendish que enfrenta uma seca com mais de 900 dias sem vencer estava no grupo escapado:

  • Mark Cavendish – Bahrain McLaren
  • Alexis Gougeard – Ag2r
  • Alexander Konychev – Mitchelton Scott
  • Leonardo Basso – Ineos Grenadiers
  • Juilien Morice – B&B Hotels
  • Kenny Molly – Bingoal
  • Gilles de Wilde – Sport Vlaanderen Baloise

Cavendish que foi diagnosticado com o vírus Epstein Barr, causa da mononucleose infecciosa e diminui a imunidade e resistência. Um dos maiores velocistas de todos os tempos, Cavendish está longe dos anos de sucesso.  A fuga só foi neutralizada a 66km do fim.

Ataque atrás de ataque

Como é comum nesse tipo de prova, grupos de ciclistas foram se formando na frente da prova e dividindo ataques e contra ataques. O grupo líder tinha cerca de 17 ciclistas que se dividia em dois ou três nos últimos 50km de prova. Entre os nomes na ponta estavam Wout van Aert e Mathieu van der Poel.

Os ataques foram aumentando e o cuidado em neutralizar ciclistas mais fortes como Alberto Bettiol da EF Pro Cycling. Curioso aliás que a EF manteve sua camisa tradicional magenta nas provas fora do Giro d’Italia onde competem com o exótico patrocínio da marca de skate Palace.

O grupo líder experimentou ataque atrás de ataque e foi reduzido a nove ciclistas. Wout van Aert tentou o primeiro ataque, depois Stefan Kung, mas o grupeto foi alcançado graças ao trabalho de Van der Poel. Assim chegaram aos 3km finais, contudo em um dos ataques de Bettiol, o alemão John Degenkolb não revesou com Van der Poel e Wout van Aert e foi o suficiente para o grupo da frente não ser mais alcançado.

No sprint Mads Pedersen venceu com Sénéchal em segundo e Bettil em terceiro.

Sua opinião é importante, compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Next Post

Português Ruben Guerreiro vence no Giro!

Vitória da fuga no Giro 2020 na etapa que encerra a primeira semana de prova. A vitória ficou com o português Ruben Guerreiro da EF Pro Cycling. Uma festa sem dúvidas já que o português João Almeida encerra a primeira semana do Giro vestindo a camisa rosa de líder da […]

Receba as novidades em seu e-mail

%d blogueiros gostam disto: